Arquivos
Busca
Nossa Newsletter
Bola Parada Feed

Destaques
Campeão Indiscutível

Campeão Indiscutível

Uma das maiores vantagens de um campeonato por pontos corridos é que o vencedor costuma ser indiscutível. A exceção, quando ocorrer, é mais por alguma ...

Veja mais

Quando o 100% Não é o Bastante

Quando o 100% Não é o Bastante

O futebol muda muito rapidamente em vários aspectos. Nenhuma fase boa dura para sempre, e nem um mau momento é eterno. Portanto, de modo geral, ...

Veja mais

Internacional na Libertadores 2006

Internacional na Libertadores 2006

É inegável que os colorados estão tendo um 2016 triste e frustrante. O Internacional vem colecionando derrotas e recordes negativos. Lutar contra o rebaixamento é ...

Veja mais

O STJD e um alerta para alguns clubes

O STJD e um alerta para alguns clubes

O futebol brasileiro roda, roda, roda e continua cometendo os mesmos erros de sempre. Chega a ser cansativo! Mas novamente temos o STJD entrando em ...

Veja mais

Curtinhas do Mundo da Bola

Curtinhas do Mundo da Bola

A coluna de hoje vai ser no estilo curtinhas. E começo pela seleção brasileira. O Tite consegui 4 vitórias nos primeiros jogos e o Brasil ...

Veja mais

Fim de Uma Era

Fim de Uma Era

Depois de 22 anos o jornalista José Trajano foi demitido da ESPN Brasil na última semana. Após ser diretor do canal e responsável pela formação ...

Veja mais

Posts Tagged ‘opinião’

PostHeaderIcon Curtinhas do Mundo da Bola

A coluna de hoje vai ser no estilo curtinhas. E começo pela seleção brasileira. O Tite consegui 4 vitórias nos primeiros jogos e o Brasil já é líder nas eliminatórias. Não é pouco. Ainda mais após o período negativo sob o comando de Dunga. A mudança é nítida e inquestionável.

Mas eu não me alinho com a turma dos otimistas de plantão. Falta muito ainda pra sentir confiança total na seleção. E faltam vitórias mais convincentes, sobre adversários realmente fortes. Bolívia, Venezuela, Colômbia e tais não servem como parâmetro. Vamos devagar com a euforia. A seleção só cumpriu com a sua obrigação. Coisa que não vinha fazendo nos últimos anos. Estava devendo. Mas só pagou uma parte da dívida. E o Tite ainda tem muito para fazer.
gabriel jesus
* * * * *

Quem também está devendo é a Argentina. E nem estou falando dos jogos recentes, sob o comando do Bauza. Depois da Copa de 14 a seleção argentina não conseguiu uma sequência de 3 jogos convincentes. Mas agora, com o Bauza, a coisa degringolou. O time tá muito bagunçado. Os resultados ruins não são casualidade, são consequência. Acho que só mesmo os talentos individuais para garantir a classificação pra Copa da Rússia.

* * * * *

Finalmente algumas pessoas estão acordando pra farra da mudança de mando de campo e os jogos vendidos para praças alternativas. Uma parte é culpa dos clubes, que viram na venda do mando uma fonte adicional de renda. Mas existe também a necessidade de arrumar uma finalidade para aqueles elefantes brancos construídos para a Copa. Juntando os dois fatores… Mas isso não justifica o erro. Já passou da hora de acabar com a brincadeira!

* * * * *

Ainda não está 100% confirmado. Mas tudo indica que o Oswaldo Oliveira vai assumir o comando do Corinthians, ainda nesta semana. O seu desligamento do Sport foi anunciado na noite de terça. Só falta assinar com o clube paulista. Até aí, nada de novo. Só a confirmação de tudo que sempre falamos aqui no Bola Parada. Nossos técnicos e dirigentes se merecem. Não existe santinho neste meio.

* * * * *

Falando em técnico… E o nosso Luxemburgo, hein!? Já não basta o fiasco de seus últimos trabalhos, agora tá dando vexame em entrevistas e declarações sem sentido. Tá ficando feio! E não é assim que ele vai arrumar emprego num grande clube. Talvez nem num pequeno.

* * * * *

Uns 2 meses atrás eu comentei com o Alexandre sobre o estranho caso de um site de apostas que havia patrocinado o Corinthians e logo depois sumido do mapa. Não do mapa, mas do Brasil. Agora chegam notícias sobre o atual patrocinador das costas da camisa do alvinegro. O negócio é confuso e junta um empresário português, denunciado na Lava Jato, uma fabricante de café, uma tal de Apollo Sports, empresas sediadas em paraísos fiscais… Sendo que o valor que o clube receberá nem é grande coisa, pouco mais de 7 milhões por ano. Minha única pergunta é: O Corinthians não poderia arrumar um patrocinador mais decente?

* * * * *

Segunda feira eu peguei o Linha de Passe uns 15 minutos depois do começo. E fiquei meio perdido com o assunto. Ainda mais que ficaram quase metade do programa dando explicações sobre isenção e qual o time de cada jornalista. Só depois é que fui saber da “briga” que o Mauro Cézar Pereira havia arrumado nas redes sociais.

Sinceramente, é uma idiotice total. Todo jornalista torce por algum clube. E todo jogador ou técnico. Desde menino eu sabia do clube preferido de 90% dos comentaristas e narradores. Nunca foi segredo. O Washington Rodrigues é flamenguista, o Márcio Guedes é botafoguense, um outro vascaíno, tricolor, santista, atleticano… Nunca houve problema. Só agora, com os patrulheiros da internet, virou motivo de confusão. Pura falta de um terreno pra capinar!!!

Share Button

PostHeaderIcon Ano do Nivelamento

Todo começo de Brasileirão se faz a tradicional avaliação das possibilidades de cada clube no campeonato. Quem vai brigar pelo título, quem pode brigar por vagas e aqueles que vão lutar contra o rebaixamento. E, via de regra, os palpiteiros e comentaristas se valem do chavão de que o nosso campeonato tem 5, 6 ou mais candidatos ao título. Eventualmente, com certo esforço, se consegue reduzir este número para 3 ou 4. Mas neste ano a coisa tá bem diferente.

Não consigo ver nenhum favorito. Nem na parte de cima, muito menos na parte de baixo. O máximo que consigo é dividir os clubes em dois blocos de 10. Os 10 primeiros estão muito próximos e devem disputar as posições principais. Os outros 10, também parelhos, vão ficar na 2ª página da tabela. Também acho que o mínimo de pontos para evitar o rebaixamento será mais alto que nos anos anteriores.

Este nivelamento, por baixo, não é apenas teoria ou subjetividade. Pode ser comprovado nitidamente. Basta que qualquer torcedor se lembre do elenco de seu time em algum momento entre 2010 e 2015, e depois compare com o plantel atual. Acho que 98% vão encontrar um ano melhor. E 90% vão encontrar 2, 3 ou até 4 anos melhores. E aí não entra o saudosismo, já que é uma memória recente. É um fato. E vale pra todos os principais clubes do país.
brasileirão
Os motivos para esse nivelamento são bem conhecidos. Perdemos (vendendo) jogadores muito rapidamente e a reposição (formação) não ocorre na mesma velocidade e qualidade. Então a degradação é constante. Como se fosse uma floresta, onde se planta 100 árvores por dia, mas se corta 120. E nossos clubes vêm cobrindo este déficit importando jogadores dos países vizinhos. Mas, infelizmente, nem sempre com a qualidade necessária. Podemos ter mais dinheiro, mas isso não se traduz em equipes melhores.

Outro ponto, recorrente, é que a maioria dos clubes vendem e contratam jogadores ao longo da temporada. E alguns, com jogadores mais destacados, certamente sofrerão baixas sérias. O Santos é um destes. Já o Internacional, fora a saída do Alisson, terá mais reforços para se juntar ao jovem grupo que foi hexa no Gauchão.

O Palmeiras, do Cuca, é uma incógnita. Talvez a maior do campeonato. Pode engrenar, mas pode azedar de vez. O Grêmio parece ter mais problemas fora, que dentro de campo. Mas o elenco tem limitações claras. E o mesmo vale pro São Paulo, Corinthians, Cruzeiro, Flamengo… Um precisa reforçar a zaga, outro precisa de atacantes melhores, ou de goleiro… Resta saber onde vão achar. E se vão encontrar. E aí eu volto a bater na tecla da reposição deficiente. É um problema nítido.

Em alguns casos, como no Botafogo, a limitação no elenco pode provocar um campeonato com “fortes emoções” para o torcedor. O estadual, razoável, não pode encobrir as fraquezas. Já cansei de falar nisso. Assim como já falei sobre o impacto da Libertadores para quem seguir, ou mesmo vencer a competição. Isso pode afetar o Atlético ou o São Paulo ao longo da temporada. E o efeito costuma ser nocivo. Mas na próxima quarta saberemos quem segue e quem será eliminado.

O assunto ainda vai seguir. Aguardem!

Share Button

PostHeaderIcon Trocas Incoerentes

Entre os 12 maiores clubes do Brasil, só o Levir Culpi, do Atlético, está no cargo há mais de 1 ano. Isso em razão do rival estadual ter demitido o atual bicampeão brasileiro, Marcelo Oliveira. Uma demissão injustificada e totalmente irracional. Segundo palavras da diretoria cruzeirense, havia pressão da torcida sobre os cartolas. Logo… Demite-se o técnico.

Vamos recapitular: O Marcelo chegou em 2013, montou um time e foi bicampeão brasileiro. A diretoria vendeu o Everton Ribeiro, R. Goulart, M. Moreno, Lucas Silva, Egídio e mais alguns. A reposição foi abaixo do desejado e o rendimento do time caiu. Qual a culpa direta do Marcelo Oliveira nisso? O quê o profexô poderá fazer melhor que o antecessor? Vai novamente brigar pra sair da confusão? Francamente…
marcelo oliveira
Mas o Cruzeiro não está isolado nesse comportamento discricional. Trocar o técnico virou uma panaceia, não importa a doença. Tudo se resolve trocando o técnico. E se não resolver, troca-se de novo. Não é maravilhoso? Só não é tão maravilhoso quanto os critérios na hora da escolha. São tão coerentes quanto um sujeito que entra num restaurante e pede uma feijoada; mas, se não tiver, serve uma sopa, ou um sushi. Não existe critério ou objetivo definido. Basta ver o exemplo do Grêmio, que foi do Felipão para o Roger. Uma mudança de 180º!

O que aconteceu com o Marcelo pode se repetir com o Tite, em breve. O time, que nem é excepcional, tá sendo desmontado durante o Brasileirão. E a remontagem será feita, certamente, aos trancos. É inevitável prever que os resultados sejam desastrosos. E muito provavelmente a resposta da direção seja a troca do treinador. E assim caminha o futebol brasileiro.

Mas não só o brasileiro, a cartolagem é parecida, all over the world. Taí o Real Madri, como bem me lembrou o Alexandre, abusando da incoerência ao demitir e contratar técnicos.

* * * * *

Tivemos uma bela reviravolta no FIFAgate. O sr. Blatter pediu pra sair. Mas não vai sair pela porta da esquerda. Não, vai arrumar bem o terreno. A nova eleição pode ficar pro final do ano, ou começo de 16. Até lá o Blatter segue na presidência. Até lá ou até que o nível da sujeira encubra sua cabeça e o soterre definitivamente. O caso da Irlanda na eliminatória europeia pra Copa de 2010 é uma enorme pá de sujeira no ditador do futebol mundial.

Os respingos da sujeira também estão atingindo nossa “amada” CBF. E não sei se remover o nome do Marin da sede da entidade bastará pra solucionar o problema. Quando chegamos ao ponto em que o Ronaldo Nazário pede a renúncia do Del Nero, é sinal que a putrefação atingiu níveis alarmantes.

* * * * *

Da série O Futebol É Uma Mãe:
Domingo passado o Valdívia “estreou” no Palmeiras deste ano. Ainda que, provavelmente, tenha sido sua última partida pelo clube. Resta saber quando o Vágner Amor vai estrear pelo Corinthians. Onde está o Amor?

Share Button

PostHeaderIcon O Jogo Sujo do Futebol

Muitos podem ter ficado surpresos com o FIFAgate. Talvez mais pelas prisões que pelo escândalo em si. Não é comum ver gente “fina” sendo algemada e detida. Principalmente aqui, onde a impunidade é a regra geral. Então o fato foi até chocante.

Mas uma pessoa bem informada não deve ter ficado surpresa com o escândalo envolvendo a cúpula da FIFA. Menos ainda se for um jornalista. As denúncias já vinham pipocando. Andrew Jennings, jornalista e escritor britânico, já havia publicado inúmeras matérias denunciando esquemas sujos e a corrupção na entidade. O jornalista Jamil Chade, do Estadão, também vem realizando um trabalho parecido. A ESPN, em menor grau, também noticiava sobre as irregularidades. E ficava quase só nisso e na imprensa nanica.
corrupção na fifa
Do dia 27 pra cá a grande mídia resolveu sair do torpor e abriu enorme espaço pra cobrir a denúncia e prisões. Mas aí não era mais a imprensa esportiva, já estava na editoria policial (ou cotidiano). A imprensa esportiva levou uma bela bola nas costas. Merecidamente. Pois foi covarde, omissa e comprometida com interesses poderosos. Em alguns casos beirava a cumplicidade. Então esse repentino interesse denuncista não me convence. Estão jogando pra arquibancada (sofá).

Tampouco me convence a tentativa de investigação em nosso país. A nossa justiça já perdeu esse bonde. Todos sabem da sujeira da CBF, mas nunca quiseram mexer no vespeiro. A CPI também terá pouco (ou nenhum) resultado. Talvez até sirva como cortina de fumaça para encobrir outros escândalos. E certamente será um palco para exibicionistas.

Na verdade, a nossa imprensa e a justiça (ou a Polícia Federal), ainda podem se redimir. Temos outros pontos obscuros, que merecem investigação e denúncia. Deixem a FIFA e os “Blatter boys” pra justiça americana, ela sabe cuidar disso. Se concentrem na sujeira daqui, nas federações, clubes, empresários, contratos, concessões, empréstimos nebulosos, vendas mal explicadas… Ou então continuem fazendo cara de paisagem e esperando que o acaso resolva os problemas do nosso esporte.

Aproveitando, e a CBV, como tá? Tudo certinho por lá?

* * * * *

Ontem o Blatter foi reeleito para o 5º mandato na FIFA, sem qualquer pudor. Era esperado, mas foi vergonhoso. Mesmo que ele não tivesse participação no esquema – coisa que duvido. Ainda que ele não soubesse do ocorrido – e também duvido disso. Deveria saber; ou é totalmente incompetente para dirigir a entidade. O “não saber” não é prova de honestidade, é prova de incompetência.

Resta saber se a UEFA irá realmente tomar uma medida mais radical. Dizem que pode haver uma cisão. Ou não. Mas penso que é hora de uma revolução. Não só envolvendo a FIFA, mas dentro do futebol brasileiro. Se esse não é o momento, quando será?

Share Button

PostHeaderIcon Ecos da Bombonera

Demorou, mas saiu a punição ao Boca Juniors após a agressão aos jogadores do River, na quinta passada. O clube foi eliminado da Libertadores, terá portões fechados em 4 jogos e ainda deve pagar uma multa de U$ 200.000. Alguns podem achar a punição severa. Eu não considero assim, penso que foi a mínima possível. Menos que isso seria um deboche.

A violência no futebol argentino não é novidade. Assim como ocorre no Brasil e em inúmeros outros países. Mas que é rara em locais onde o problema é enfrentado com mais severidade. E este é o ponto nevrálgico da questão. A violência é inerente ao ser humano, é quase impossível mudar isso. O problema é como enfrentar o fato. E nisso nós estamos falhando. E por nós entenda-se a Conmebol, AFA, CBF e todas as confederações do nosso continente. Tratamos a violência nos estádios como um crime menos grave. Somos benevolentes e complacentes. Aceitamos que vândalos, travestidos de torcedores, dominem nossas arquibancadas e afastem os verdadeiros fãs de futebol do local.
violência na bombonera
Hoje estamos falando da Bombonera e de Buenos Aires. Mas cenas parecidas já ocorreram em Belo Horizonte, Assunção, São Paulo, Santiago, Porto Alegre, Recife… Mudam as cidades, os estádios, os clubes, as camisas, mas o problema é um só. E pouco adianta punir o clube, fechar os portões ou aplicar uma multa. Isso é perfumaria. Não resolve nada; já vimos. O problema é maior e vai continuar existindo.

Muitos já disseram que o futebol é reflexo da sociedade. É uma verdade gritante. Mas não só pelo lado da violência nossa de cada dia. A similaridade também ocorre na impunidade e na permissividade. Também posso comparar as torcidas organizadas com o crime organizado. O Estado falha no combate ao crime organizado. E falha no combate às torcidas organizadas – se é que são torcidas de verdade. Eu prefiro chamá-las de facções. O Estado é complacente e, por tabela, conivente com o status quo. Sem esquecer que, por estas bandas, há um elo forte entre o Estado e os clubes, clubes com organizadas, organizadas com políticos… Andam tão próximos que muitas vezes não podemos distinguir um do outro. Não por acaso o futebol elege deputados, senadores, prefeitos. E torcedor vota, não é mesmo?

Existe uma solução mágica pra questão da violência no futebol? Não, nem mágica, nem 100% eficiente. Mas isso não impede ninguém de enfrentar o problema. Primeiro é preciso haver uma vontade política. Vontade e ação. Doa a quem doer. E deve doer é nos bandidos infiltrados nas torcidas. Eles é que devem ser punidos e extirpados do futebol. Não adianta punir os clubes, fechar os estádios e deixar estes marginais livres para cometer mais vandalismo.

Violência é uma palavra muito genérica, não tem rosto ou CPF. Vamos falar nos violentos, estes são reais, com cara, RG e CPF. Mas existe vontade e ação política para combater e punir, severamente, estas pessoas? Deixo que vocês respondam a questão.

Share Button

PostHeaderIcon Parcelando o Problema (Que Continua)

Nesta semana a presidente assinou o projeto de renegociação da dívida dos clubes de futebol. Muitos clubes festejaram o ato. E alguns comentaristas esportivos também. Dizem que será a salvação do futebol tupiniquim. Como se uma canetada fosse a solução pra todos os problemas. Como se fosse o primeiro projeto governamental para salvar clubes quebrados.

Não li o texto do projeto, só o que foi divulgado pela imprensa. Mas foi o suficiente pra perceber que pisaram na coitada da Constituição. Fato que vem se tornando costumeiro nos últimos 12 anos. Ou já era comum, só que disfarçado. Mas o fato é que o governo juntou juntou a renegociação da dívida com uma vendeta contra alguns desafetos (a CBF pra ser exato). Isso é inconstitucional, por mais que eu odeie a CBF e todas as federações; inclusive de outros esportes. Isso não justifica a ilegalidade do projeto.
administração futebol
O fato mais importante é a prática. Não sei se todos sabem, mas a Federação Paulista colocou em prática uma regra que penaliza clubes que devem salários. Vocês viram algum clube sendo punido? Mas eu sei de clubes com salários atrasados no Paulista. Então tenho sérias dúvidas sobre as sanções que o projeto federal menciona. Ainda mais por conhecer o modus operandi de nossos cartolas, que rasgam regulamentos e viram mesas com incrível facilidade.

Também não acho justo ver os clubes recebendo tamanho benefício num momento em que a presidente pede que o Zé Povinho (nós) faça sacrifícios e aumenta vários impostos. Foi criada uma nova “casta social”, a que pode tudo. E garanto que vocês não fazem parte dela. Experimentem atrasar seus impostos e vejam o que acontece. Depois tentem ir na Receita e pedir um parcelamento em 20 anos. Tentem! Pois os clubes podem; eles representam uma paixão nacional. Francamente, paixão nacional, no meu entendimento, é a Paola Oliveira.

Um outro aspecto, primordial, é que o projeto só alcança a dívida com a União. Os clubes ainda podem fazer negócios nebulosos, podem fatiar seus jogadores, podem se endividar com bancos e “investidores”, podem dar calote em fornecedores, etc… Sem falar que logo vão surgir estratégias para driblar o controle e a punição. Não duvidem da criatividade de nossos cartolas.

Um pacote de bondades pode agradar muitos. Mas não resolve muita coisa. Nosso futebol precisa é de um “pacote de maldades”. Por “maldades”, entenda-se leis rigorosas e punições severas. Nosso futebol precisa criar sua liga e se livrar de federações, CBF e governo. Precisa de uma administração profissional. Precisa tratar seus campeonatos como produto e valorizar esse produto. Precisa se organizar e evoluir. Mas estamos muito longe disso. Estamos mais perto do tempo em que patronos, bicheiros e mecenas bancavam a diversão. Só que agora o patrono atende pelo nome de Governo. E continuamos na prática do pão (com mortadela) e circo.

Merecemos um outro 7×1!!

Share Button

  • Enquete

    • Qual clube corre mais risco de rebaixamento?

      Veja Resultados

      Loading ... Loading ...