Destaques
Campeão Indiscutível

Campeão Indiscutível

Uma das maiores vantagens de um campeonato por pontos corridos é que o vencedor costuma ser indiscutível. A exceção, quando ocorrer, é mais por alguma ...

Veja mais

Quando o 100% Não é o Bastante

Quando o 100% Não é o Bastante

O futebol muda muito rapidamente em vários aspectos. Nenhuma fase boa dura para sempre, e nem um mau momento é eterno. Portanto, de modo geral, ...

Veja mais

Internacional na Libertadores 2006

Internacional na Libertadores 2006

É inegável que os colorados estão tendo um 2016 triste e frustrante. O Internacional vem colecionando derrotas e recordes negativos. Lutar contra o rebaixamento é ...

Veja mais

O STJD e um alerta para alguns clubes

O STJD e um alerta para alguns clubes

O futebol brasileiro roda, roda, roda e continua cometendo os mesmos erros de sempre. Chega a ser cansativo! Mas novamente temos o STJD entrando em ...

Veja mais

Curtinhas do Mundo da Bola

Curtinhas do Mundo da Bola

A coluna de hoje vai ser no estilo curtinhas. E começo pela seleção brasileira. O Tite consegui 4 vitórias nos primeiros jogos e o Brasil ...

Veja mais

Fim de Uma Era

Fim de Uma Era

Depois de 22 anos o jornalista José Trajano foi demitido da ESPN Brasil na última semana. Após ser diretor do canal e responsável pela formação ...

Veja mais

Posts Tagged ‘Campeonato Brasileiro’

PostHeaderIcon O STJD e um alerta para alguns clubes

O futebol brasileiro roda, roda, roda e continua cometendo os mesmos erros de sempre. Chega a ser cansativo! Mas novamente temos o STJD entrando em campo e sendo usado para tentar alterar resultados. O Fluminense e o Figueirense são aos autores das reclamações à justiça esportiva. E ambas as ações são muito questionáveis.

Não vou entrar no mérito das ações no STJD; odeio essa parte jurídica. Também sou contra usar imagens de TV em momentos convenientes. Ou se usa a TV em todos os jogos, ou em nenhum. E no momento o regulamento não permite essa ajuda externa. Mas é óbvio que a arbitragem do Fla-Flu teve interferência externa. Foi um casuísmo. E isso não pode ser aceitado. É injusto com todos os outros casos de clubes prejudicados por erros claros da arbitragem.

Mas, infelizmente, o futebol segue o caminho da judicialização, fato corriqueiro em nossa sociedade. E como costumam brincar na internet: Gol da Alemanha!!

* * * * *

O Vasco foi um daqueles times que se enganou com o resultado do Estadual e uma invencibilidade de trinta e tantos jogos no começo do ano. Era uma situação fantasiosa. E hoje o clube vive um momento mais real. E a realidade é mais dura que a fantasia.

Acredito que o Vasco vai subir para a Série A, ainda que sofrendo. Mas o problema do clube não é só voltar pra 1ª divisão. O Vasco precisa voltar a ser grande. O Vasco não pode ser do tamanho do Eurico, do Roberto ou de pessoas deste nível. O Vasco é muito maior. Mas vai continuar pequeno se for dirigido por pessoas pequenas. Fica o alerta!

* * * * *
botafogo
Já o Botafogo, que virou o queridinho dos analistas e comentaristas de plantão, poderia estar numa situação ainda pior que o Vasco. Mas hoje é a surpresa do Brasileirão. Todos os jornais, sites e emissoras já fizeram sua análise sobre os motivos dessa recuperação do clube. A explicação é até simples:

– Equilíbrio financeiro, com os salários pagos em dia;
– O Jair Ventura conseguiu melhorar o desempenho da defesa e aproveitar melhor os jogadores do elenco; que não é essa maravilha toda;
– Alguns reforços de última hora qualificaram mais o grupo e tem sido decisivos;
– O estádio da Ilha, chamado de “arena Botafogo”, está servindo de casa durante a falta do estádio Nilton Santos.
– O elenco esbanja disposição e o ambiente interno parece muito bom.

Mas não podemos esquecer dos erros cometidos pela atual gestão do Botafogo. Principalmente na contratação de jogadores fracos e que só pesam na folha salarial. Para um clube com orçamento tão curto, é uma falha pesada. Outro ponto são os contratos curtos e sem uma multa alta. Ano que vem o clube deve perder vários jogadores. Fica o alerta!

* * * * *

Ninguém duvida que o Cruzeiro, São Paulo e Internacional são grandes clubes. Isso é óbvio! Mas o fato de ser grande não lhe permite fazer grandes bobagens e sair impune. O desempenho dos 3 neste Brasileirão é fruto de vários erros. De falta de planejamento e de mudanças no planejamento. Se a gente olhar o custo da folha ou o valor dos elencos, o resultado é ainda mais desanimador. Pífio!

Não estou dizendo isso baseado em achismo. Outro dia vi uma estatística mostrando quanto custou cada ponto no Brasileirão, em relação ao valor do elenco e ao custo mensal. O trio que eu citei, junto do Palmeiras, Flamengo e Atlético, são os que mais gastam. Mas o resultado de um trio é muito diferente do outro. Então não basta pensar apenas no orçamento ou confiar no peso da camisa. Isso é importante, mas não é tudo. Fica o alerta!

Share Button

PostHeaderIcon Brasileirão Se Definindo e Seleção Indefinida

Já completamos 2/3 do campeonato brasileiro. E o cenário está bem consolidado. Tanto no topo, no meio, quanto nos que lutam contra o rebaixamento. Não acredito que teremos grandes saltos no terço final do campeonato. O que é um mau sinal para os clubes tradicionais que estão no fundo da tabela. Especialmente o Internacional.

O Colorado passou o ano flertando com o perigo. Teve erros na direção. Fez escolhas ruins, de técnicos e jogadores. Deu azar com algumas contusões. Se somarmos tudo isso… Olha, nem somando tudo dá pra entender a posição do Inter. Ou o desempenho do time. Ainda mais comparando a sua pontuação com a de elencos mais modestos, como da Ponte, Botafogo ou Chapecoense; todos no meio da tabela. Mas eu sou teimoso e ainda acho que o Inter vai escapar. Só que vai ser sofrido. Até pra aprender a não fazer tanta bobagem. Só não sei se entenderam a lição.

Não sou vidente, mas vou arriscar um palpite: Acho que o América, Santa Cruz e Figueirense já estão rebaixados. A ultima vaga fica entre o Inter, Vitória, Cruzeiro, Coritiba e Sport. São Paulo e Botafogo correm um risco mínimo, abaixo de 1%. Até pra tristeza de um certo comentarista da Band. Aquele mesmo que cravou o rebaixamento do alvinegro carioca após a 4ª rodada. Fato que até poderia acontecer. Mas só se o time continuasse inerte. Fato que não ocorreu; ao contrário.

* * * * *
Não disputa pelo título não vejo chances de surpresa. Vão ser os mesmos que já estão na disputa. Palmeiras, Flamengo e Atlético estão num nível bem próximo. Tanto que nem vou arriscar um palpite. A única diferença que vejo é que o Flamengo é mais equilibrado entre defesa e ataque. Uma pequena vantagem. A outra pode ser a torcida, mesmo jogando longe do Maracanã. Ou não…

* * * * *

tite convocação

Hoje o Tite anunciou sua segunda convocação. E tivemos algumas novidades; e outras voltas. Fernandinho, Oscar, Firmino, Douglas Costa e Thiago Silva estão de volta. O retorno mais surpreendente é o do Thiago Silva, que havia entrado para o time dos renegados. Vamos ver se agora o Thiago se recupera do fiasco das últimas passagens pela seleção. Vai depender mais de sua cabeça do que do futebol.

A novidade ficou com a convocação do Muralha, goleiro do Flamengo. Ele me agrada, mas não sei se chega ao ponto ser titular da seleção. Pode ser só um teste do Tite. Assim como alguns outros que o técnico já convocou: Fagner, Giuliano, Weverton, Taison… São nomes questionáveis. O que não se discute é a volta do Marcelo. É muito talentoso para ser esquecido, como o Dunga fez.

E vou mais longe. O Marcelo é tão habilidoso e tecnicamente diferenciado que eu, se fosse técnico, já teria testado ele na linha de meio-campo. Claro que o ideal seria essa alteração ocorrer primeiro no clube. Mas, não havendo tal possibilidade, que seja na seleção. Meio parecido com o Alaba na seleção austríaca. Acho que o Marcelo e o Neymar fariam um lado esquerdo sensacional.

* * * * *

Ainda sobre a seleção… Nos últimos tempos a mídia esportiva se aprimorou na arte de propagar teorias e e descrever narrativas fantasiosas. Já ouvi de tudo. Começou, pra mim, com o overlapping. Depois tivemos a fase de matar os pontas e colocar meias no lugar. Depois tiraram um dos meias e usaram 2 volantes. Depois veio o papo do quadrado mágico. E assim foi indo.

Agora, com o Tite, a imprensa boleira passou a divulgar o tal “futebol apoiado”. Sinceramente, é uma bobagem sem tamanho. Lembra as propagandas de sabonete ou shampoo, que todo ano apresentam uma nova fórmula. E tem quem acredite nisso. Mas eu já passei dessa fase. Ou nunca estive.

Mas, como a seleção comandada pelo Adenor venceu as 2 primeiras partidas, tudo tá valendo. Tudo cola. Vamos ver a narrativa quando a seleção levar duas pancadas seguidas.

Share Button

PostHeaderIcon Quando Mais Ainda é Pouco

Primeiramente peço desculpas pelo pequeno sumiço do blog. Trabalho e outras pendências causaram essa minha ausência, mas estamos aí na atividade!

Finalmente tivemos uma definição mais clara sobre as divisões de cotas de TV paga para o Campeonato Brasileiro a partir de 2019. A Globo, se vendo pressionada pela proposta da Turner/Esporte Interativo, teve de abrir um pouco mais a carteira e tentar fisgar times que estão com certos graus de problemas financeiros, ainda que em situações um pouco diferentes entre si. Com isso a emissora que tradicionalmente já detém os direitos de transmissão do futebol nacional já consegue uma boa vantagem para manter essa predominância.

Segundo o presidente do Botafogo Carlos Eduardo Pereira, Atlético Mineiro, Corinthians, Cruzeiro, Sport, Vasco e Vitória, além do próprio Botafogo, aceitaram os termos de renovação com a Globo e tudo já estaria acertado para que as transmissões continuem no Sportv com a validação do novo contrato a partir de 2019, inclusive aceitando, segundo informação de Paulo Vinicius Coelho no UOL, que exista certa redução no todo da receita devido à alguns adiantamentos. Não é possível saber quanto seria essa redução total, pois cada um negociou individualmente. O São Paulo ontem, em reunião do seu Conselho Deliberativo, também aceitou a renovação “global” e se gabando de ter acertado um adiantamento (chamado pelos seus diretores de “luvas” sem comprometimento de receitas futuras) de R$60 milhões, que já seriam usados para que o time salde algumas pendências financeiras atuais. Além disso, segundo os são-paulinos, a emissora carioca aceitou uma adaptação do modelo inglês do rateio do dinheiro: 40% igualmente, 30% por performance e 30% por exposição na emissora.

Teoricamente a Globo percebeu a ameaça do dinheiro da Turner e resolveu não privilegiar tanto Flamengo e Corinthians na divisão das rendas. Porém temos de lembrar que esse acordo ainda é apenas para a TV Fechada (Sportv). O pay-per-view, onde o Premiere (também da Globo) não tem concorrência já deve ser renovado quase que automaticamente. Mas na TV aberta é necessário constatar se esse sistema mais dividido de cotas será utilizado também. Ainda não dá para dizer que foi uma grande vantagem desses clubes renovar “à toque de caixa” com a vênus platinada.

O que podemos saber já com certeza é que mais uma vez os clubes, de pires na mão, não conseguem se unir para discutir um contrato conjunto e que privilegie e ajude a TODOS. Não igualmente pois vivemos em um sistema capitalista, então é impossível uma “socialização” de toda a renda. Mas que o abismo entre os que ganhem mais seja menos em direção aos que ganham menos. Além disso a proposta de uma divisão de redes, com jogos sendo mais pulverizados em 2 ou 3 canais nem foi considerada; aqui no Brasil quem vence a “concorrência” leva tudo quase que de “porteira fechada” e não se pensa numa pluralidade de emissoras mostrando (e valorizando mais o campeonato). turner esporte interativo bola parada

Sobre a Turner/EI penso, vendo com mais calma e tempo agora, que fizeram de forma correta o ataque, tentando contactar times que se mostram descontentes com o atual sistema comandado pela Globo. O Santos, ainda sem confirmação 100% oficial, teria já apalavrado um acordo com a Turner, o que faria com que os jogos santistas em TV fechada não fossem transmitidos, a não ser que a emissora esportiva novata consiga fechar com mais clubes. Segundo informações tentariam pelo menos 8 para mostrar jogos dessas equipes. É algo que também acontece no México, onde existem times que “pertencem” à uma ou outra emissora, sendo que isso se reflete até no Brasil; a ESPN Brasil e o FOX Sports dividem e transmitem (com certo desdém) a competição mexicana e certos times passam apenas na ESPN Br e outros apenas no FOX.

Dentro de uma iniciativa de conquista de território a Turner até conseguiu provocar algum barulho (e após a segunda rodada de oitavas de final da Champions League procurarei fazer um post sobre a transmissão do EI). Mas ainda faltou uma maior agregação entre os clubes e seus dirigentes (esses os maiores culpados pela penúria da maior parte dos clubes) para se conseguir acordos melhores e mais dinheiro dos canais de TV, tanto Globo quanto EI.

Share Button

PostHeaderIcon A Tréplica da Turner

Como tinha dito anteriormente, escrevo minha “tréplica sobre o assunto do Esporte Interativo e a possibilidade de a emissora da Turner comprar os direitos em TV fechada do Campeonato Brasileiro. Entendo que a proposta, como disse o Marco, faz com que se abra uma discussão sobre a possibilidade de melhorias nas transmissões do principal torneio nacional. Porém muitas vezes a discussão fica na periferia dos problemas. Abre-se um campo de luta, principalmente na internet e fundamentalmente entre os que “adoram” e entre os que “odeiam” a Globo.

As pessoas ainda por uma visão um pouco romântica, ou por aquela vontade de parecer mais cultas, adoram criticar o monopólio global e falam que uma mudança de mãos na exibição do torneio seria benéfica. Engraçado que essas mesmas pessoas não criticavam o monopólio da FOX em relação à Libertadores no início de suas atividades no Brasil em 2012. No mesmo ano não vimos tantas críticas ao monopólio da Record na transmissão em TV aberta dos Jogos Olímpicos de Londres. Sendo assim penso que, por mais que a Globo mereça críticas, essa birra não leva nada à lugar nenhum.

A discussão deveria ser feita para analisar o que fosse possível em mudar a lei de transmissão que faz com que times que estejam sob contratos diferentes (caso isso venha a acontecer) não possam ter seus confrontos transmitidos. E isso faria com que as pessoas ficassem sem assistir as partidas. E é algo que, na prática, ainda inviabiliza uma possibilidade de maior mudança.

Se a Lei aqui no Brasil possibilitasse que um time mandante de uma partida pudesse vender seus jogos em casa para quem bem entendesse, poderíamos aí sim ver uma revolução na questão das transmissões. O Santos que, pelas notícias até agora, parece ser o time mais interessado em fechar contrato com a Turner, poderia ter seus jogos na Vila Belmiro sendo transmitidos pelo EI, e seus jogos fora sendo mostrados por outro canal, só para citar um exemplo.

Mas os clubes parecem não ter uma visão mais global sobre esse tema. Se escoram no dinheiro da Globo de forma mais cômoda. E dizendo isso, minha crítica não é só para a emissora e sim para os dirigentes que, em sua maioria, são incompetentes e pegam o dinheiro na hora do almoço para poder pagar o jantar. Além disso as pessoas que reclamam de seus cartolas, normalmente também não possuem essa visão mais ampla de ver que não é necessário “vencer o monopólio global” para vermos o Brasileiro em outras emissoras. Bastaria um pouco de boa vontade e mais inteligência.

*****

Sobre a qualidade da programação do Esporte Interativo, ainda discordo um pouco do Marco. Até vejo realmente uma melhoria técnica nas gravações do exterior, uma maior quantidade de correspondentes, o que era o mínimo em se tratando de um canal com os direitos da Champions League. Mas no geral o canal ainda possui alguns vícios de muito tempo. turner sports bola parada

Um deles inclusive foi criticado recentemente devido à uma ação do canal. O Ceará, atual campeão da Copa do Nordeste, vai fazer um amistoso contra o Flamengo, algo que foi visto como afronta por vários torcedores de times nordestinos, já que o canal que diz “amar” tanto a região, escolheu um representante do “eixo do mal” para uma certa legitimação do título cearense. Ou seja, defendem tanto o Nordeste e na hora da festa fazem algo apenas para tentar audiência. Passa a impressão de certa incoerência no discurso.

O excesso de gritaria e descontração nas narrações (ainda que esse “bom humor” é algo que temos visto em todos os canais) continua nas vezes em que assisto o canal. Os programas são meio que repetitivos e a maioria só fala de futebol, com uma grade muito semelhante à da ESPN. Um problema que também já falamos aqui no blog é o fato do canal não parecer ainda tão preocupado em investir em outras modalidades para transmissão, algo que deveria ser pensado para dar mais opções à grade, principalmente nos fins de semana.

Tudo bem que a Turner não entrou a tanto tempo assim na direção do canal, mas penso a emissora ainda precisa melhorar e ter mais diversidade em sua programação para podermos dizer realmente que a coisa melhorou. Prefiro esperar um pouco mais para avalizar essa evolução.

Share Button

PostHeaderIcon Dinheiro Fácil e Soluções Erradas

Não creio que seja algo que vá desembocar em alguma novidade. Mas uma notícia que sempre chama a atenção é aquela relacionada à questão dos direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro. Nos últimos dias dias saíram diversas notas a respeito da possibilidade do Esporte Interativo comprar os direitos de TV paga do Brasileirão a partir de 2018.

Antes de qualquer coisa temos de lembrar da maior força financeira do canal com a aquisição de parte do seu capital pela Turner, portanto a possibilidade poderia vir a ser real financeiramente falando. Poderia. Pois não acredito que os clubes saiam do “controle” da Globo. Esses dois links (ESTE da Gazeta do Povo e ESTE do Esporte e Mídia) mostram como eles ainda se mostram dependentes. Tanto os que não assinaram um novo contrato (caso do Coritiba) quanto os que não querem problema (como parece ser o caso do São Paulo).

Primeiro é bom deixar claro que, quando falo de controle da Globo não é bem uma crítica. Podemos dizer muita coisa ruim da emissora carioca, mas o fato é que ela tem BANCADO o futebol brasileiro nos últimos anos. Claro que existem os inconvenientes de horários como aquele das 10 da noite às quartas-feiras, mas é o ônus a se pagar para quem põe o dinheiro na mesa. Além disso, vemos que horários esdrúxulos aparecem em vários países, como na Espanha e na Argentina, em que já tivemos cada jogo de uma rodada dos nacionais disputado em horários distintos.

Além disso temos de lembrar que os clubes permitem a situação atual, ou seja, se sentem confortáveis com o domínio global (sem trocadilho) em suas competições. A recém formada Primeira Liga (Sul-Minas-Rio) já está sob as asas da Globo e do Sportv. Ainda que tenham procurado outras emissoras para a transmissão deste novo torneio, me parece claro que o movimento é muito mais para tentar arrancar mais dinheiro da velha parceira e não necessariamente uma mudança de canal para a exibição das partidas. direitos de tv bola parada

Sim porque me parece lógico que um sistema parecido com o que vemos na NFL (Liga de Futebol Americano dos Estados Unidos) seria interessante para ser testado por aqui. Se duas ou três emissoras transmitissem os jogos, os clubes poderiam exigir mais dinheiro de cada uma, além de oferecer uma diversidade maior para os espectadores. Por exemplo, a Globo poderia manter a exclusividade dos jogos de quarta e domingo, tanto na TV aberta quanto na fechada (via Sportv), mas os clubes poderiam vender as partidas de quinta, por exemplo, para o Esporte Interativo, e os de sábado para outro canal de TV aberta ou mesmo para outro de TV por assinatura.

Claro que existe a questão de jogos regionalizados, onde o torcedor se mostra muito mais fanático em querer ver APENAS o seu time ou da sua localidade. Essa é uma outra questão que mostra que muitas vezes o brasileiro gosta não de futebol, mas apenas da sua equipe. Também a situação do Pay-per-view teria de ser equacionada (e provavelmente ainda continuaria sob o comando da Globo). Porém ao menos abriria-se uma possibilidade para mais recursos para os clubes, coisa que, devido à ganância, a vontade de querer ser mais “esperto” e mesmo à incompetência dos nossos cartolas, é algo difícil de imaginar sendo posto em prática.

Share Button

PostHeaderIcon Por Um Jogo Apenas…

O fim de semana foi de emoção nas séries C e D do futebol brasileiro com as definições de quem subia para as séries B e C respectivamente. Nas quartas-de-final em que são conhecidos os classificados temos grandes festas e públicos nos estádios e inegavelmente é bom vermos que o futebol não se encerra na primeira e na segunda divisão por aqui. Mas no meio disso tem algo que me incomoda.

O Fortaleza meio que virou piada nos últimos anos pois tem sempre chegado perto de subir para a série B e não tem conseguido, sempre parando nos mata-matas da terceirona. E e aí que reside o ponto da minha crítica. O campeonato da terceira divisão é disputado de forma regionalizada em sua primeira fase, com 18 partidas sendo jogadas, onde se classificam 4 times de cada grupo para os confrontos eliminatórios. E logo nas quartas-de-final, em apenas duas partidas, é decidido o futuro de uma agremiação, se ela ascende ou não de divisão para o ano seguinte. série c bola parada

Penso que essa fórmula é muito cruel com quem quer subir, pois um dia ruim pode fazer com que esse time seja eliminado, assim como aconteceu novamente com o time cearense. Depois de uma derrota para o Brasil de Pelotas no jogo de ida, o Fortaleza não conseguiu sair do 0x0 e novamente vai ter de amargar mais um ano na terceira divisão nacional. A mesma coisa aconteceu com a Portuguesa que depois de ter feito uma campanha melhor que o Vila Nova de Goiás, perdeu o primeiro jogo e não conseguiu reverter a situação na volta jogando no Canindé.

É evidente que os times que assinam um regulamento assim concordam com a situação e podem estar sujeitos à esse tipo de coisa. Mas penso que poderia haver uma mudança nesse tipo de regulamento, com a criação de uma fase quadrangular. Os 8 classificados poderiam ser divididos em dois grupos de 4 equipes, com jogos em ida e volta dentro das chaves. Ao invés de termos 2 jogos para definir quem sobe, seriam 6 partidas, algo que poderia minimizar um dia ruim de algum clube que fez boa campanha na primeira fase. Não acho que um aumento de 4 jogos acarretaria um prejuízo grande aos clubes, que assim teriam chance de se preparar melhor para ter a chance de subir de divisão.

A série C conseguiu se estabelecer no calendário nacional, e a série D até vai indo pelo mesmo caminho. É algo positivo para o nosso futebol temos divisões fortes e que fomentem as rivalidades e o crescimento de equipes menores. Mas as distorções de regulamentos poderiam ser evitadas para que todos tenham chances maiores de subir.

Share Button
1 2 3 4 5 »

  • Enquete

    • Qual clube corre mais risco de rebaixamento?

      Veja Resultados

      Loading ... Loading ...