Destaques
Campeão Indiscutível

Campeão Indiscutível

Uma das maiores vantagens de um campeonato por pontos corridos é que o vencedor costuma ser indiscutível. A exceção, quando ocorrer, é mais por alguma ...

Veja mais

Quando o 100% Não é o Bastante

Quando o 100% Não é o Bastante

O futebol muda muito rapidamente em vários aspectos. Nenhuma fase boa dura para sempre, e nem um mau momento é eterno. Portanto, de modo geral, ...

Veja mais

Internacional na Libertadores 2006

Internacional na Libertadores 2006

É inegável que os colorados estão tendo um 2016 triste e frustrante. O Internacional vem colecionando derrotas e recordes negativos. Lutar contra o rebaixamento é ...

Veja mais

O STJD e um alerta para alguns clubes

O STJD e um alerta para alguns clubes

O futebol brasileiro roda, roda, roda e continua cometendo os mesmos erros de sempre. Chega a ser cansativo! Mas novamente temos o STJD entrando em ...

Veja mais

Curtinhas do Mundo da Bola

Curtinhas do Mundo da Bola

A coluna de hoje vai ser no estilo curtinhas. E começo pela seleção brasileira. O Tite consegui 4 vitórias nos primeiros jogos e o Brasil ...

Veja mais

Fim de Uma Era

Fim de Uma Era

Depois de 22 anos o jornalista José Trajano foi demitido da ESPN Brasil na última semana. Após ser diretor do canal e responsável pela formação ...

Veja mais

Arquivos da seção ‘Marco na Bola’

PostHeaderIcon Time do Eu Sozinho

A coluna de hoje é no estilo curtinhas. E vou começar pelas finais da NBA. Os táticos que me desculpem, mas confesso que torci pelo Golden State. Não que eu tenha alguma preferência por lá, é só pelo estilo de jogo. No basquete sou 100% volúvel, e é muito mais divertido assistir o GS que o Cavaliers. Gosto de um jogo mais rápido, vertical e habilidoso; sem esquecer as bolas de 3.

Só não concordo com a opinião do Johnson e de alguns comentaristas, de que o estilo do Golden State vai revolucionar o basquete americano. Me pareceu um discurso parecido com o futebol, onde alguns defendem a extinção do 9. De fato é possível jogar basquete sem o pivozão clássico e futebol sem o 9 fixo. Mas isso não é regra geral. É preciso ter jogadores adequados pra esse tipo de jogo.

* * * * *
futebol-brasil-neymar
Quem precisa se reinventar é o futebol brasileiro. Pra ontem! Há mais de 1 década que passamos por uma enorme carência de craques. Principalmente armadores e atacantes, que eram nosso forte em tempos antigos. Atualmente temos um, na seleção. E estamos parecidos com o Cavaliers: joga a bola pro Neymar/Lebron e deixa ele resolver sozinho. Acontece que o futebol é um esporte coletivo. Ou deveria ser.

Mas basta olhar os nossos clubes e logo perdemos a esperança de uma mudança em curto e médio prazo. A mediocridade da seleção é o reflexo da mediocridade dos clubes.

* * * * *

Nós também ficamos desesperançados ao vermos as seleções de base. Eu acompanho o Torneio de Toulon, os Sul-americanos, Mundiais, sub-17, sub-20, seleção olímpica… Só vejo jogadores esforçados e tentando se prevalecer na base da força e correria. Raramente temos uma jogada articulada, passes envolventes, dribles. Nada, é um deserto de técnica e habilidade. E nem adianta criticar este ou aquele técnico. O problema é estrutural. Estamos formando mal, errado. Então a tendência é de piorar a atual situação. Independente da seleção ganhar ou perder o sub-20 na N. Zelândia. Esse é o menor dos problemas.

* * * * *

Na semana passada o Alecsandro chegou para reforçar o Palmeiras. Nesta semana o Marcelo Oliveira chegou para dirigir o time. E ontem o clube fechou com o atacante paraguaio Lucas Barrios. Mas este só chega após a Copa América. Supondo que a SEP não contrate mais ninguém, resta esperar pelo entrosamento. Talvez o entrosamento só esteja em “forma” lá por Agosto ou Setembro. Resta saber se a paciência vai durar até lá. E, se durar, qual será a perspectiva do Verdão ao final do ano.

* * * * *

No Vasco já dá pra afirmar que a perspectiva é sombria. O clube caiu na pegadinha do Estadual. A mesma pegadinha que todo ano faz uma vítima diferente. Achou que tinha forças para tentar algo no Brasileirão. Só que não. Ao contrário, vai sofrer muito pra se segurar na Série A. E a fritura do Doriva não ajuda nada, só atrapalha mais.

* * * * *

Muita gente elogiou a atual gestão do Flamengo, pela contenção de gastos e redução do endividamento. Era imperativo e foi feito, parabéns! Só que o filme não termina na metade. Falta liquidar o vilão e ficar com a mocinha. Só que não acho que o Flamengo esteja indo bem nessa parte. O Guerrero é um bom atacante, mas não acho que valha o valor que o Fla vai pagar. E o Sheik menos ainda, muito menos. Ainda mais que a coisa que o Flamengo menos precisa é de um atacante de lado. E com 36 anos!!

Share Button

PostHeaderIcon Trocas Incoerentes

Entre os 12 maiores clubes do Brasil, só o Levir Culpi, do Atlético, está no cargo há mais de 1 ano. Isso em razão do rival estadual ter demitido o atual bicampeão brasileiro, Marcelo Oliveira. Uma demissão injustificada e totalmente irracional. Segundo palavras da diretoria cruzeirense, havia pressão da torcida sobre os cartolas. Logo… Demite-se o técnico.

Vamos recapitular: O Marcelo chegou em 2013, montou um time e foi bicampeão brasileiro. A diretoria vendeu o Everton Ribeiro, R. Goulart, M. Moreno, Lucas Silva, Egídio e mais alguns. A reposição foi abaixo do desejado e o rendimento do time caiu. Qual a culpa direta do Marcelo Oliveira nisso? O quê o profexô poderá fazer melhor que o antecessor? Vai novamente brigar pra sair da confusão? Francamente…
marcelo oliveira
Mas o Cruzeiro não está isolado nesse comportamento discricional. Trocar o técnico virou uma panaceia, não importa a doença. Tudo se resolve trocando o técnico. E se não resolver, troca-se de novo. Não é maravilhoso? Só não é tão maravilhoso quanto os critérios na hora da escolha. São tão coerentes quanto um sujeito que entra num restaurante e pede uma feijoada; mas, se não tiver, serve uma sopa, ou um sushi. Não existe critério ou objetivo definido. Basta ver o exemplo do Grêmio, que foi do Felipão para o Roger. Uma mudança de 180º!

O que aconteceu com o Marcelo pode se repetir com o Tite, em breve. O time, que nem é excepcional, tá sendo desmontado durante o Brasileirão. E a remontagem será feita, certamente, aos trancos. É inevitável prever que os resultados sejam desastrosos. E muito provavelmente a resposta da direção seja a troca do treinador. E assim caminha o futebol brasileiro.

Mas não só o brasileiro, a cartolagem é parecida, all over the world. Taí o Real Madri, como bem me lembrou o Alexandre, abusando da incoerência ao demitir e contratar técnicos.

* * * * *

Tivemos uma bela reviravolta no FIFAgate. O sr. Blatter pediu pra sair. Mas não vai sair pela porta da esquerda. Não, vai arrumar bem o terreno. A nova eleição pode ficar pro final do ano, ou começo de 16. Até lá o Blatter segue na presidência. Até lá ou até que o nível da sujeira encubra sua cabeça e o soterre definitivamente. O caso da Irlanda na eliminatória europeia pra Copa de 2010 é uma enorme pá de sujeira no ditador do futebol mundial.

Os respingos da sujeira também estão atingindo nossa “amada” CBF. E não sei se remover o nome do Marin da sede da entidade bastará pra solucionar o problema. Quando chegamos ao ponto em que o Ronaldo Nazário pede a renúncia do Del Nero, é sinal que a putrefação atingiu níveis alarmantes.

* * * * *

Da série O Futebol É Uma Mãe:
Domingo passado o Valdívia “estreou” no Palmeiras deste ano. Ainda que, provavelmente, tenha sido sua última partida pelo clube. Resta saber quando o Vágner Amor vai estrear pelo Corinthians. Onde está o Amor?

Share Button

PostHeaderIcon O Jogo Sujo do Futebol

Muitos podem ter ficado surpresos com o FIFAgate. Talvez mais pelas prisões que pelo escândalo em si. Não é comum ver gente “fina” sendo algemada e detida. Principalmente aqui, onde a impunidade é a regra geral. Então o fato foi até chocante.

Mas uma pessoa bem informada não deve ter ficado surpresa com o escândalo envolvendo a cúpula da FIFA. Menos ainda se for um jornalista. As denúncias já vinham pipocando. Andrew Jennings, jornalista e escritor britânico, já havia publicado inúmeras matérias denunciando esquemas sujos e a corrupção na entidade. O jornalista Jamil Chade, do Estadão, também vem realizando um trabalho parecido. A ESPN, em menor grau, também noticiava sobre as irregularidades. E ficava quase só nisso e na imprensa nanica.
corrupção na fifa
Do dia 27 pra cá a grande mídia resolveu sair do torpor e abriu enorme espaço pra cobrir a denúncia e prisões. Mas aí não era mais a imprensa esportiva, já estava na editoria policial (ou cotidiano). A imprensa esportiva levou uma bela bola nas costas. Merecidamente. Pois foi covarde, omissa e comprometida com interesses poderosos. Em alguns casos beirava a cumplicidade. Então esse repentino interesse denuncista não me convence. Estão jogando pra arquibancada (sofá).

Tampouco me convence a tentativa de investigação em nosso país. A nossa justiça já perdeu esse bonde. Todos sabem da sujeira da CBF, mas nunca quiseram mexer no vespeiro. A CPI também terá pouco (ou nenhum) resultado. Talvez até sirva como cortina de fumaça para encobrir outros escândalos. E certamente será um palco para exibicionistas.

Na verdade, a nossa imprensa e a justiça (ou a Polícia Federal), ainda podem se redimir. Temos outros pontos obscuros, que merecem investigação e denúncia. Deixem a FIFA e os “Blatter boys” pra justiça americana, ela sabe cuidar disso. Se concentrem na sujeira daqui, nas federações, clubes, empresários, contratos, concessões, empréstimos nebulosos, vendas mal explicadas… Ou então continuem fazendo cara de paisagem e esperando que o acaso resolva os problemas do nosso esporte.

Aproveitando, e a CBV, como tá? Tudo certinho por lá?

* * * * *

Ontem o Blatter foi reeleito para o 5º mandato na FIFA, sem qualquer pudor. Era esperado, mas foi vergonhoso. Mesmo que ele não tivesse participação no esquema – coisa que duvido. Ainda que ele não soubesse do ocorrido – e também duvido disso. Deveria saber; ou é totalmente incompetente para dirigir a entidade. O “não saber” não é prova de honestidade, é prova de incompetência.

Resta saber se a UEFA irá realmente tomar uma medida mais radical. Dizem que pode haver uma cisão. Ou não. Mas penso que é hora de uma revolução. Não só envolvendo a FIFA, mas dentro do futebol brasileiro. Se esse não é o momento, quando será?

Share Button

PostHeaderIcon Ecos da Bombonera

Demorou, mas saiu a punição ao Boca Juniors após a agressão aos jogadores do River, na quinta passada. O clube foi eliminado da Libertadores, terá portões fechados em 4 jogos e ainda deve pagar uma multa de U$ 200.000. Alguns podem achar a punição severa. Eu não considero assim, penso que foi a mínima possível. Menos que isso seria um deboche.

A violência no futebol argentino não é novidade. Assim como ocorre no Brasil e em inúmeros outros países. Mas que é rara em locais onde o problema é enfrentado com mais severidade. E este é o ponto nevrálgico da questão. A violência é inerente ao ser humano, é quase impossível mudar isso. O problema é como enfrentar o fato. E nisso nós estamos falhando. E por nós entenda-se a Conmebol, AFA, CBF e todas as confederações do nosso continente. Tratamos a violência nos estádios como um crime menos grave. Somos benevolentes e complacentes. Aceitamos que vândalos, travestidos de torcedores, dominem nossas arquibancadas e afastem os verdadeiros fãs de futebol do local.
violência na bombonera
Hoje estamos falando da Bombonera e de Buenos Aires. Mas cenas parecidas já ocorreram em Belo Horizonte, Assunção, São Paulo, Santiago, Porto Alegre, Recife… Mudam as cidades, os estádios, os clubes, as camisas, mas o problema é um só. E pouco adianta punir o clube, fechar os portões ou aplicar uma multa. Isso é perfumaria. Não resolve nada; já vimos. O problema é maior e vai continuar existindo.

Muitos já disseram que o futebol é reflexo da sociedade. É uma verdade gritante. Mas não só pelo lado da violência nossa de cada dia. A similaridade também ocorre na impunidade e na permissividade. Também posso comparar as torcidas organizadas com o crime organizado. O Estado falha no combate ao crime organizado. E falha no combate às torcidas organizadas – se é que são torcidas de verdade. Eu prefiro chamá-las de facções. O Estado é complacente e, por tabela, conivente com o status quo. Sem esquecer que, por estas bandas, há um elo forte entre o Estado e os clubes, clubes com organizadas, organizadas com políticos… Andam tão próximos que muitas vezes não podemos distinguir um do outro. Não por acaso o futebol elege deputados, senadores, prefeitos. E torcedor vota, não é mesmo?

Existe uma solução mágica pra questão da violência no futebol? Não, nem mágica, nem 100% eficiente. Mas isso não impede ninguém de enfrentar o problema. Primeiro é preciso haver uma vontade política. Vontade e ação. Doa a quem doer. E deve doer é nos bandidos infiltrados nas torcidas. Eles é que devem ser punidos e extirpados do futebol. Não adianta punir os clubes, fechar os estádios e deixar estes marginais livres para cometer mais vandalismo.

Violência é uma palavra muito genérica, não tem rosto ou CPF. Vamos falar nos violentos, estes são reais, com cara, RG e CPF. Mas existe vontade e ação política para combater e punir, severamente, estas pessoas? Deixo que vocês respondam a questão.

Share Button

PostHeaderIcon E Começa o Brasileirão 15

Hoje começa o Brasileirão 2015. Sem pompa ou cerimônia. Já falei isso no ano passado e certamente falarei nos próximos anos. Nada muda, só que agora temos jogos às 11h no domingo. Até o primeiro capítulo de novelas recebe mais destaque que a primeira rodada do Brasileirão. Mas, se os clubes entendem que assim tá bom…
campeonato brasileiro 15
Acredito que este campeonato será mais equilibrado que em 13 e 14, onde o Cruzeiro abriu uma boa vantagem e administrou a diferença. Mas a Raposa perdeu jogadores muito importantes e está remontando a base. Acho muito improvável que o Cruzeiro repita o desempenho anterior. Vejo uns 3 times com elenco superior aos demais: São Paulo, Palmeiras e Inter (sem ordem). Depois coloco o Corinthians, Atlético Mineiro, Cruzeiro e Santos. Talvez o Flamengo, se forçarmos a barra. Sem forçar, o Fla fica no terceiro pelotão, junto do Grêmio, Flu e Vasco. Isso com os elencos atuais; mas sabemos que sempre ocorrem contratações e vendas. O Corinthians, por exemplo, perde muito se não renovar com o Guerrero.

Sobre o título é muito difícil palpitar. O Palmeiras pode se beneficiar se o São Paulo e Inter seguirem na Libertadores, o que é uma possibilidade real. Mas precisa largar bem e ganhar confiança na competição. O São Paulo ainda espera o Sampaoli e o novo técnico pode demorar pra acertar a mão no clube. O Inter já passou pela fase de adaptação do Diego Aguirre e não deve ser desprezado.

Os outros times devem lutar pela sobrevivência. Eu acredito que a Ponte e o Goiás permanecem. Mas temo pelos paranaenses, os dois estão mal neste ano. O risco de rebaixamento é sério pro Furacão e Coxa. Os catarinenses, até pelo porte dos clubes, também vivem o mesmo risco. O Sport… Meu palpite é que vai permanecer na Série A.

* * * * *

Não tive tempo para falar sobre os Estaduais. Mas foram bem melhores do que alguns gostariam. Teve até emissora (fechada) que criou um programa especial pra falar dos campeões estaduais. O torcedor, ao menos nas finais, deu o ar da graça. Alguns times souberam usar o Estadual pra montar a base deste ano; outros não. E talvez essa seja a principal função dos Estaduais.

O que não dá é pra fazer um Estadual bagunçado e desorganizado, como foi o Carioca. Isso é o que prejudica, mais que a falta de datas ou o desequilíbrio entre os clubes.

* * * * *

No meio da semana tivemos a rodada da Libertadores. Começou com a surpreendente derrota do Corinthians diante do Guarani do Paraguai. O Corinthians nem jogou. Mas não duvido que possa reverter o resultado. O Inter teve a fabulosa chance de sair do Independência com uma vitória sobre o Galo. Mas recuou demais no final e permitiu, ou ofereceu, o empate aos mineiros. Mas ainda tem uma situação favorável pro jogo de volta. Assim como o São Paulo, que deveria ter feito 3×0 no Cruzeiro. O 1×0 foi praticamente um presente pra Raposa. Só que o Cruzeiro precisa jogar muito mais pra reverter o resultado.

Como estou no dia dos palpites, não vou me furtar. Acredito que Corinthians, Internacional e São Paulo avancem pra próxima fase.

Não sei se todos os leitores viram o jogo entre River e Boca pela Libertadores. Se é que posso chamar aquilo de jogo. Mais parecia uma luta livre com uma bola no meio. E um juiz banana dentro de campo. Que coisa feia!!!

Share Button

PostHeaderIcon Finais Improváveis

Não se espantem com o título da coluna. Final improvável é a do Mineiro, onde a Caldense vai decidir com o Galo. No Gaúcho tivemos a final de sempre, tudo dentro das condições normais de temperatura e pressão. No Rio e em São Paulo a imprensa apontava Corinthians e São Paulo numa final e Fla e Flu na outra. Até com alguma razão. Em Janeiro nenhum torcedor do Santos, Palmeiras, Vasco e Botafogo confiaria em ver seu time na final. Talvez um ou outro mais fanático. Ou desinformado. Por este aspecto as finais no Rio e São Paulo também são inesperadas. Improváveis numa análise inicial.
palmeiras na final
O Palmeiras de hoje é totalmente diferente do ano passado. Hoje tem um time, bom. E ainda pode melhorar, alguns jogadores mal entraram em campo e no Brasileiro o grupo deve estar mais completo. O Santos foi mais surpreendente. Começou o ano destroçado, perdendo jogadores e devendo salários. Mas juntou alguns veteranos com a base e deu liga. Dos 4 paulistas é o que tem mostrado um futebol mais bonito e objetivo. O oposto do São Paulo, desorganizado e burocrático. Esse sim, uma grande decepção.

O Corinthians fez um bom Paulistão. Só não dá pra aceitar o Tite culpando o calendário e até a Globo pela eliminação. O calendário é o mesmo, cada um carrega sua cruz. Praticamente todos os clubes vão ter seu momento de reclamar das datas espremidas e das longas viagens. Já o horário do jogo… Beira o ridículo achar que 2 horas fariam tanta diferença pro time. Mimimi detected!

* * * * *

Este Campeonato Carioca foi um dos melhores dos últimos tempos. Mas foi estragado pela cartolagem e pelas briguinhas nos bastidores. E vou deixar bem claro: Todos são culpados. Culminando com a tradicional teoria da conspiração lançada pelo Bandeira de Mello, dizendo que a FERJ armou a final entre Vasco e Botafogo. Se ele sabia dessa conspiração, deveria ter dito antes, não após a eliminação do Flamengo. Ou poderia ter tirado o time de campo naquele clássico da mordaça, junto do Fluminense. Eu disse isso na coluna após o jogo.

Erros de arbitragem acontecem em todos os jogos. E o Flamengo é mais ajudado que prejudicado por esses erros. Basta ver a ficha corrida e analisar. Será que naqueles anos todos a FERJ também armava pro Flamengo ser campeão?

Estranho também foi ver alguns jornalistas esportivos chamando a arbitragem de Botafogo e Fluminense de desastrosa, vergonhosa e outros adjetivos do tipo. Ainda juntaram a punição do Fred pra reafirmar a teoria da conspiração. Eu vi um erro do bandeirinha, no 1º gol do Bota. E só! Nos 2 jogos o tricolor teve 2 pênaltis, corretos. Se a arbitragem fosse mal intencionada não teria marcado os pênaltis. Sem falar que o regulamento, pessimamente redigido, anulou a vantagem do Botafogo por ter vencido a Taça Guanabara.

Dentro de campo o Flu teve uns 30 minutos de total supremacia física. Alguns jogadores do Bota se arrastavam em campo. Literalmente! Mas o Fluminense não teve competência para empatar e passar pra final. O Frederico fez falta. Mas isso não tira o mérito da equipe alvinegra, que lutou heroicamente pelo resultado. Só mesmo pela garra, tecnicamente está abaixo dos rivais.

* * * * *

Não quero fazer previsões sobre as finais dos Estaduais. Mas é notório que o Vasco e Palmeiras estão mais carentes de títulos. Precisam mais. Em Minas até seria “divertido” ver um clube pequeno quebrando a hegemonia do Galo e da Raposa.

* * * * *

Eu não queria misturar os assuntos, futebol e mídia, mas preciso falar algo sobre a saída do Esporte Interativo da Claro TV. Não era esperado. Mas faz sentido se pensarmos que o canal, agora com a UCL, tá exigindo reajuste no valor que recebe das distribuidoras de TV. A conjuntura atual não permite tais repasses. E as distribuidoras não vão aceitar bancar esse aumento nos custos. É a eterna disputa comercial, onde cada lado tenta ganhar mais. Ocorre em todos os segmentos.

Muita gente, neste vasto território da internet, já coloca a culpa na Globosat. Todos entendem de tudo e sabem o que se passa nos bastidores das disputas comerciais. Mesmo morando em Arapiraca. Pode até ser que tenha o dedinho da Globosat nessa história. Não existem santos nesse meio. Ninguém faz filantropia e todos querem lucrar mais. Então eles que se acertem.

Mas é bom lembrar que a Claro TV e o EI já foram parceiros de longa data. A emissora até fez campanha de vendas pra Claro TV. Eu disse vendas, não meros anúncios. E agora tá assim, fora das 3 maiores distribuidoras. Alguém vai ter que ceder.

Share Button
« 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 ... 17 »

  • Enquete

    • Qual clube corre mais risco de rebaixamento?

      Veja Resultados

      Loading ... Loading ...