Destaques
Campeão Indiscutível

Campeão Indiscutível

Uma das maiores vantagens de um campeonato por pontos corridos é que o vencedor costuma ser indiscutível. A exceção, quando ocorrer, é mais por alguma ...

Veja mais

Quando o 100% Não é o Bastante

Quando o 100% Não é o Bastante

O futebol muda muito rapidamente em vários aspectos. Nenhuma fase boa dura para sempre, e nem um mau momento é eterno. Portanto, de modo geral, ...

Veja mais

Internacional na Libertadores 2006

Internacional na Libertadores 2006

É inegável que os colorados estão tendo um 2016 triste e frustrante. O Internacional vem colecionando derrotas e recordes negativos. Lutar contra o rebaixamento é ...

Veja mais

O STJD e um alerta para alguns clubes

O STJD e um alerta para alguns clubes

O futebol brasileiro roda, roda, roda e continua cometendo os mesmos erros de sempre. Chega a ser cansativo! Mas novamente temos o STJD entrando em ...

Veja mais

Curtinhas do Mundo da Bola

Curtinhas do Mundo da Bola

A coluna de hoje vai ser no estilo curtinhas. E começo pela seleção brasileira. O Tite consegui 4 vitórias nos primeiros jogos e o Brasil ...

Veja mais

Fim de Uma Era

Fim de Uma Era

Depois de 22 anos o jornalista José Trajano foi demitido da ESPN Brasil na última semana. Após ser diretor do canal e responsável pela formação ...

Veja mais

Archive for December, 2014

PostHeaderIcon O Que é Bom e o Que é Errado

Eu gosto de futebol. Assisto basicamente a qualquer jogo das principais ligas e gosto de acompanhar tudo que acontece aqui e lá fora, apesar de que muitas vezes a cobertura da imprensa me desanime intensamente. Até por acompanhar a algum tempo, consigo reconhecer quando alguma crítica é feita seguindo os interesses do lugar, da empresa ou do canal que transmite determinado torneio.

Até já tratei do assunto dos jogos de fim de ano na Inglaterra NESTE post ano passado. Como disse ali é bom termos jogos em datas em que temos outros campeonatos parados; para quem é fã de futebol não deixa de ser um programa e tanto. O que não dá muito para engolir é a “vista grossa” de quem transmite o Campeonato Inglês sobre o fato de termos jogos sendo disputados com menos de 48 horas de tempo de recuperação para os atletas. Tivemos uma rodada cheia no dia 26 e outra no dia 28, sexta e domingo. Isso num campeonato em que a intensidade na qual são disputados grande parte dos jogos chama a atenção.

Chama a atenção também como os três primeiros na tabela (Chelsea, Manchester City e Manchester United) sofreram no segundo tempo de suas partidas no domingo. Os três acabaram empatando e tendo desempenhos ruins na segunda metade dos jogos. Antes das partidas do fim de semana passado, José Mourinho e Louis van Gaal, talvez já prevendo o problema com suas equipes, criticaram duramente o inchado calendário de jogos na Inglaterra. boxing day bola parada

Aí volto a falar sobre a mídia aqui no Brasil. Quem transmite as partidas, claro, tem de valorizar o produto que possui. Mas não deveria fechar os olhos para os erros que acontecem no “mundo maravilhoso” da Premier League. Vi narrador ironizando a fala de Van Gaal, dizendo que ele “não sabia” que a tradição inglesa de jogar muito no fim do ano vem a mais de 100 anos. Entendo a tradição e, como disse antes, acho legal termos ALGUMA rodada no fim de ano. Mas esse excesso de jogos acumulados é ruim para os clubes e gera uma incoerência no discurso de alguns por aqui.Se tivéssemos esse acúmulo de partidas no Brasil, certamente muitos criticariam, dizendo que o calendário é um absurdo, que a CBF é isso, aquilo…

Evidentemente que na Inglaterra existe uma pré-temporada maior no meio do ano, mas isso não justifica o exagero de partidas no fim de ano no meu modo de ver. Poderíamos ter uma rodada no dia 26 e outra no começo do ano. Isso a meu ver evitaria o cansaço exagerado de alguns times e a incoerência de alguns que parecem só ver defeito do lado de cá do Atlântico…

*****

A Copa do Rei da Espanha trará um grande jogo nesse começo de 2015. Real Madrid e Atlético de Madrid se enfrentarão pela copa nacional já nas oitavas de final. Porém esse jogo será restrito a quem assina a SKY, pois apenas o canal (quase fantasma) Sports + transmitirá a peleja. Porém nesse fim de ano, um simples amistoso entre Real Madrid e Milan teve a transmissão de quatro (!!!) canais esportivos: Sportv, ESPN Brasil, FOX Sports e Band Sports. Qual o maior erro: Um canal que deveria estar disponível para assinantes de várias empresas ser restrito apenas à uma operadoras (alô ANATEL!) ou os canais de modo geral preferirem às vezes apenas um jogo festivo, para ter um pouco mais de audiência? Complicado viu…

*****

Desejo à todos os leitores do Bola Parada um Feliz 2015, com muita saúde, paz, felicidades e muitas vitórias em suas vidas! Um abraço e fiquem com Deus!

Share Button

PostHeaderIcon Alana Blanchard, Musa do Surf

O Brasil agora virou o “país do surf”. Precisou um brasileiro vencer um Campeonato Mundial para as pessoas darem mais atenção à modalidade do Juba e do Lula, amigos de Zelda Scott (quem cresceu nos anos 80 deve se lembrar de quem falo…)

Mas não serei hipócrita. Não acompanhei a conquista do Gabriel Medina, que agora deve ser figurinha fácil em qualquer programa esportivo da TV brasileira, espremido claro no espaço dedicado ao futebol (ou as gracinhas esportivas, tão comuns hoje em dia). Mas então para mim é mais fácil lembrar de uma bela do esporte, como a Alana Blanchard. Não me pergunte a colocação dela no ranking, só sei que ela é belíssima. Concordam?

Share Button

PostHeaderIcon Parados no Mercado

Parte da mídia exaltou recentemente a volta do técnico Tite ao Corinthians, depois dele ter saído do clube no final de 2013. O treinador claramente se preparou (e imaginou) ser o nome para chegar à Seleção Brasileira após à Copa do Mundo deste ano, porém o convite para trabalhar na CBF não veio. Ele e nenhum outro de maior relevância.

Isso me chama muito a atenção e mostra, mais uma vez, como os nossos treinadores não conseguem se destacar no mercado internacional. Tivemos algumas experiências isoladas como Luxemburgo no Real Madrid e Felipão no Chelsea, mas os dois duraram pouco e não deixaram saudades. Um dos empecilhos citados pelos treinadores para não irem bem lá fora é a barreira da língua. É até compreensível, é algo que atrapalha realmente, mas para melhorar essa situação, apenas o estudo pode fazer com que as coisas mudem. tite bola parada

O que parece tão ou mais complicado ainda de mudar é a mentalidade de nossos profissionais. Aceitam ficar na roda viva do mercado nacional e não se mostram dispostos na maioria das vezes a encarar de fato e de forma séria um novo desafio na carreira. Para o Corinthians a volta de Tite pode ser uma boa, ele conhece o clube e pode ajeitar o atual elenco. Mas para o treinador considero um grande retrocesso esse retorno tão precoce. Porque não se aventurar em outro país, mesmo que para um clube de médio porte?

Isso serve para outros treinadores que ficam rodando de um clube para outro aqui no Brasil e só dão “uma parada” quando são descartados pelo mercado interno. No caso de Tite, ele de fato parou mais por opção própria, depois de ser descartado pelo Corinthians em 2013, mas o fato é que ele não conseguiu emplacar lá fora da maneira que imaginava.

E isso me chama a atenção. Como os treinadores nacionais são descartados e não conseguem mostrar uma evolução maior em termos táticos? Porque não aceitam críticas e principalmente porque o mercado nacional é tão fechado a inovações, técnicos estrangeiros de modo geral? Edgardo Bauza, que está no San Lorenzo, conquistou duas Libertadores, uma com o time argentino e outra com a LDU do Equador, e nunca foi citado para trabalhar aqui. Cito ele como exemplo, mas temos outros que poderiam vir trabalhar aqui e provavelmente nunca terão espaço. Depois da experiência Gareca no Palmeiras podemos ter ainda mais dificuldade para vermos técnicos de fora por aqui. A contratação de Diego Aguirre por parte do Internacional foi feita meio que no desespero e por uma suposta falta de opções, portanto não dá para dizer que foi algo planejado pelo time gaúcho, portanto, não muda muito o quadro.

Enquanto os treinadores nacionais não evoluírem taticamente e saírem da sua zona de conforto, continuaremos a ver basicamente as mesma caras nos nossos clubes, e principalmente os mesmos conceitos, o que talvez seja ainda pior.

*****

george hilton bola paradaPoderia falar alguma coisa sobre a escolha do novo Ministro do Esporte, o baiano (que é deputado federal por Minas Gerais) George Hilton.

Pastor da Igreja Universal, “animador” (?) e teólogo. Tudo a ver com o esporte não é…Mas tudo o que eu queria dizer já está AQUI no texto do Gian Oddi. Nada mais a dizer, apenas a lamentar.

*****

Desejo a todos os leitores do Bola Parada um Feliz Natal, com muita saúde, paz e tranquilidade ! Após o Natal voltaremos!

Share Button

PostHeaderIcon O Real de Ancelotti

Na disputa do último título relevante do ano no futebol, deu a lógica. O Real Madrid ganhou com extrema facilidade o Mundial de Clubes no Marrocos, vencendo o Cruz Azul do México na semifinal e os argentinos do San Lorenzo na final. A superioridade do time merengue foi incontestável e só reforça alguns detalhes muito claros. O primeiro deles é a grande fase do atual time do Real. Para muitos essa equipe já é superior do que aquela “galáctica” de Zidane. Figo, Raúl, Ronaldo…Não vou tratar especificamente desse assunto agora, vou aguardar o fim da temporada europeia para fazer uma análise, mas penso que esse time de 2014 pode sim ser mais vencedor e completo.

Mas por agora quero falar do papel do treinador nessa conquista. Carlo Ancelotti ficou conhecido aqui no Brasil, devido ao desconhecimento de muitos “analistas” de futebol, como um treinador retranqueiro, principalmente devido à sua passagem no Milan onde em determinado momento, deixava o time mais dependente de Kaká para poder conseguir bons resultados. Mesmo nessa época eu discordava dessa avaliação. Um time com um meio campo com Pirlo e Seedorf, mesmo cercados de um ou outro “Gattuso da vida” não era um time necessariamente defensivo. No Chelsea ele já fez esse conceito errado, vindo principalmente do Brasil, ir por terra ao comandar um time que teve o melhor ataque de todos os campeonatos da era da Premier League (desde 1992), marcando mais de 100 gols no campeonato de 2009/2010.

Agora no Real Madrid você pode dizer que é fácil ser ofensivo comandando um time que pode basicamente contratar quem você quiser. Mas não considero essa uma tarefa necessariamente tranquila. Primeiro porque o clube espanhol muitas vezes contrata pela grife e não pensando na necessidade do time em campo. Agora mesmo, logo após vencer a Liga dos Campeões depois de 12 anos, Florentino Perez vendeu aquele que, para muitos, foi o jogador mais regular do time na temporada passada (excluindo Cristiano Ronaldo claro). Di Maria se sentiu desprestigiado devido a tantas especulações de mais compras espetaculares e vultosas dos merengues e pediu para ir para o Manchester United. Além disse Xabi Alonso, um pilar defensivo da equipe, também foi embora. carlo ancelotti bola parada

Com essas saídas, Ancelotti teve de remontar um time campeão. E até agora tem sido muito bem sucedido nessa tarefa. Conseguiu que o time espanhol trouxesse, além de um jogador midiático e que teve destaque na Copa (James Rodríguez), um outro que pode fazer com que o time se sinta seguro de jogar sem aquele volante protetor da zaga. Toni Kroos, sem ser muito chamativo, foi o “cabeça de área” do Real na final do Mundial. E com ele, dividindo as funções teoricamente mais defensivas, jogou Isco um jogador que era meia ofensivo na Málaga e vai se adaptando bem a uma função diferente em campo. Assim sendo a equipe é mortal na frente e não perdeu força na defesa. O time tem uma saída de bola de extrema qualidade e um contra-ataque especial com o trio ofensivo Bale, Benzema e Cristiano Ronaldo.

Não acho que o treinador deva ser supervalorizado. Quem decide as partidas são os jogadores e sem um grupo de qualidade técnica invejável fica difícil fazer com que as mudanças funcionem tão rapidamente. Mas é louvável ver um treinador que não gosta de aparecer tanto, como é o caso de Carlo Ancelotti, fazer um grande trabalho como este que vem sendo feito no Real Madrid atual.

Share Button

PostHeaderIcon Confrontos das Oitavas de Final da UEFA Champions League

Foram definidos na última segunda (15/12) os confrontos da próxima fase da UEFA Champions League. Após o fim da fase de grupos, vemos que a maioria dos favoritos continua na disputa, com destaque para Bayern d Munique e Real Madrid, os times mais fortes do mundo nesse ano que se encerra. Eles continuam favoritos para o restante da temporada. Ainda que, claro, surpresas possam acontecer, elas são equipes entrosadas e muito bem treinadas, ou seja, vai ser difícil vencê-las.

Na etapa de grupos da Champions podemos destacar como decepções a má performance do Liverpool, que com a venda de Suárez (bom dinheiro para o clube, mas que veio “na hora errada”) e a contusão do Sturridge se tornou um time comum. O Galatasaray da Turquia, mesmo com a chegada de Cesare Prandelli, não se acertou em nenhum momento (tanto que o técnico italiano já saiu do comando da equipe…) Benfica e Zenit também ficaram pelo caminho, num grupo em que as forças se equivaliam (com Leverkusen e Mônaco). O Athletic de Bilbao também poderia ter incomodado mais no grupo H. Mas no geral as melhores equipes passaram adiante.bayern de munique real madrid bola parada

Vamos então com uma pequena análise dos confrontos que vêm por aí (quem está em segundo posto no duelo faz a segunda partida em casa):

Paris Saint-Germain-FRA x Chelsea-ING: Confronto dos “novos ricos”, que contam com grandes elencos, mas que jogam futebol bem distintos nesse momento da temporada. O Chelsea com um time titular bem azeitado depois das chegadas de Fábregas e Diego Costa, mostra boa intensidade, velocidade e técnica. O PSG por sua vez tem um bom elenco, mas ainda é um time que não convence, parecendo atuar muitas vezes em baixa rotação. PALPITE: CHELSEA

Shakthar Donetsk-UCR x Bayern de Munique-ALE: O time dos “brasileiros” (do meio para a frente) se classificou sem problema em seu grupo, mas não parece ser páreo para o Bayern de Guardiola que tem uma defesa que levou apenas 3 gols em 16 jogos no Campeonato Alemão. Além disso reforçou bem seu elenco em todos os setores; Benatia, Xabi Alonso e Lewandowski foram grandes aquisições para o já fortíssimo time alemão. PALPITE: BAYERN

Schalke 04-ALE x Real Madrid-ESP: O confronto mais desequilibrado das oitavas. O Real Madrid, mesmo sem Di Maria e Xabi Alonso ficou mais forte que o da temporada passada, graças ao ótimo trabalho de Ancelotti, que faz com que o time seja ofensivo e competente no meio campo. O Schalke já trocou de técnico nessa temporada, agora está com Roberto Di Matteo, ex-Chelsea, mas não deve ser suficiente para parar o time espanhol. PALPITE: REAL MADRID

Basel-SUI x Porto-POR: O Porto conta com o técnico Julen Lopetegui, ex-treinador das categorias de base da Seleção Espanhola. Joga com 3 atacantes, incluindo o argelino Brahimi e o colombiano Jackson Martínez. O Basel é um time que já vem com uma base de outras temporadas, com destaque para o meia suíço Fabian Frei. É o confronto mais equilibrado, mas penso que o time suíço é mais organizado e tem um entrosamento maior. PALPITE: BASELbarcelona manchester city bola parada

Manchester City-ING x Barcelona-ESP: O Barcelona conta com mais talento individual; Messi, Neymar e Suárez podem decidir o confronto. Mas até agora o time não conseguiu acertar totalmente sua defesa, mesmo com algumas contratações como Mathieu e Vermaleen (que nem conseguiu estrear devido às contusões). O Manchester City não trouxe grandes reforços; o principal deles, Lampard, já deve sair para jogar nos EUA. Mas tem uma base forte e vem de uma recuperação grande no grupo E, eliminando a Roma. PALPITE (ARRISCADO): MANCHESTER CITY

Juventus-ITA x Borussia Dortmund-ALE: A Juventus continua sobrando no Campeonato Italiano, mas ainda não mostra um futebol confiável do meio para a frente. Muitas vezes têm dificuldades para definir os jogos. Mesmo com a presença de Tevez o time se ressente de outro grande atacante. O Borussia Dortmund é um time insinuante, mas sofre com as contusões e com a defesa fraca, tanto que faz uma campanha horrível no Campeonato Alemão. É um confronto equilibrado, mas pelo momento o time italiano larga um pouco na frente (pela instabilidade atual do Dortmund). PALPITE: JUVENTUS

Bayer Leverkusen-ALE x Atlético de Madrid-ESP: O time do Leverkusen é interessante, tem bons valores jovens como Calhanoglu, Son e Kiessling. Mas ainda não mostra o lastro necessário para comandar uma grande competição. Não tem conseguido nem mesmo ser uma sombra (ainda que distante) do Bayern na Bundesliga. O Atlético de Madrid se reforçou para essa temporada, tentando suprir as grandes perdas que teve, começando pelo gol com o Courtois. Continua no seu estilo de jogo, apostando na força tática. Não é bonito de se ver, mas deve garantir ao menos a vitória nesse confronto. PALPITE: ATLÉTICO DE MADRID

Arsenal-ING x Monaco-FRA: Em tese, o time inglês deu sorte dessa vez no emparelhamento de confrontos. Mas isso para um time tão irregular como é o Arsenal não significa tudo. A equipe tem dependido muito de Aléxis Sanchez e perde pontos bobos em casa. O Mônaco avançou com uma defesa forte, tomando apenas 2 gols. E tem alguns bons jogadores como João Moutinho e Berbatov. É bom os torcedores dos Gunners não contarem com a vitória antes da hora. PALPITE (COM OS DOIS PÉS ATRÁS): ARSENAL

Share Button

PostHeaderIcon Os Novos “Salvadores da Pátria”

O mercado de transferências do futebol brasileiro ainda está frio. Com os clubes tendo de lidar com suas enormes dívidas fica complicado fazer o número de contratações que o torcedor espera (e os empresários de atletas sonham…). Esses, porém, continuam fazendo a festa com suas especulações pipocando toda hora na mídia, seja na internet, na TV, nos jornais…Digamos que isso é o efeito colateral de um período sem jogos e dificilmente isso mudará.

Mas o que tem chamado a atenção ultimamente é o espaço dado para uma figura relativamente nova no cenário do nosso futebol, mas que ganhou muito espaço recentemente, inclusive com uma imagem muitas vezes de “salvador da pátria” para algumas agremiações: o diretor remunerado de futebol. Até entendo a existência desse cargo que, teoricamente, foi criado para que alguém lide com o departamento de futebol do clube de forma livre das pressões de conselheiros e diretores amadores que temos em nossos clubes (ainda que pode se suspeitar da relação de alguns desses executivos com empresários ligados à atletas…).alexandre mattos bola parada

Mas o que não dá para compreender é excesso de relevância dessas figuras, alçadas ao olímpo por alguns torcedores, como no caso do Cruzeiro, que deve agora perder o seu “CEO” Alexandre Mattos. Chegamos a ver manifestações de cruzeirenses quase que implorando para que ele permanecesse no clube azul, mas isso não se confirmou. Ele deve ser anunciado em breve pelo Palmeiras, chegando com um poder incrível e com a pecha de “sabe tudo” do futebol. Esse “cargo” até recentemente era ocupado por Rodrigo Caetano, que fez trabalhos interessantes no Grêmio e no Vasco, mas fracassou no Fluminense, que foi rebaixado no campo ano passado (só não caiu por tudo aquilo que sabemos – ou não…).

Assim mesmo Caetano continua com prestígio no mercado, já que foi apresentado com pompa e circunstância no Flamengo, isso depois de retornar ao Vasco nesse ano de 2014! Isso inclusive é outra coisa que me incomoda nesse processo do “mercado”. Basicamente vemos os mesmos nomes rodares de um clube a outro, numa ciranda muito parecida com a dos treinadores. Sobre isso Tostão em coluna recente foi preciso: “É fundamental a presença, nos clubes, de bons diretores executivos. Mas dizer que Alexandre Mattos, excelente profissional, é o principal responsável pela formação do elenco e pela conquista do bicampeonato, e que seria o salvador do Palmeiras, é um exagero, uma distorção. É a repetição da supervalorização que os treinadores tiveram, décadas atrás, que dura até hoje, quando os resultados e as análises das partidas passaram a ser feitas a partir da conduta dos técnicos. Isso fez mal ao futebol.”. Falando assim, Tostão me fez lembrar do “Super Técnico”, programa do fim dos anos 90 comandado por Milton Neves, que ajudou muitos treinadores a sentirem super(iores).

É óbvio que bons profissionais têm de ter seu espaço no futebol, inclusive para melhorar nossos clubes, tão maltratados por gestões desastrosas no passar dos anos. Mas dizer que apenas a presença deles pode mudar um time de um ano para o outro é forçar demais a situação. Se o clube não tiver estrutura, o trabalho de um diretor sozinho não se sustenta. Pode ir bem em um ou dois anos, mas não é algo duradouro para a estrutura da instituição. O Vasco e o Botafogo são exemplos disso; foram bem em alguns campeonatos brasileiros, mas não resistiram os problemas intrínsecos às suas bases e acabaram na segunda divisão.

Mais do que comemorar a chegada de um “executivo de futebol” (que certamente não chega ganhando pouco), o torcedor deve exigir que o seu clube seja reformado e melhorado não apenas para o presente, mas pensando no futuro. E claro, não se esquecer de que quem chega para dentro de campo é que é fundamental para as conquistas.

Share Button
1 2 »

  • Enquete

    • Qual clube corre mais risco de rebaixamento?

      Veja Resultados

      Loading ... Loading ...