Get a site
Arquivos
Busca
Nossa Newsletter
Bola Parada Feed

Comentários recentes
Destaques
Quase nada nos conformes

Quase nada nos conformes

Exceção feita a vitória americana, de resto tivemos inúmeras surpresas nessa fase final da Copa do Mundo de Basquete. A Eliminação Brasileira e a atuação sérvia A ...

Veja mais

Temos Um Campeonato

Temos Um Campeonato

E em uma das muitas "finais antecipadas" que sempre temos em campeonatos de pontos corridos, o São Paulo conseguiu vencer o Cruzeiro e diminuir a ...

Veja mais

Entre Amistosos e Cotas

Entre Amistosos e Cotas

E tivemos os dois primeiros amistosos da seleção do Dunga. Muitos podem pensar que é sempre útil testar jogadores e começar o trabalho visando a ...

Veja mais

Pequeno Resumo do Primeiro Turno

Pequeno Resumo do Primeiro Turno

E chegamos ao fim do primeiro turno do Brasileiro com um líder com boa vantagem, alguns times tentando incomodar a dianteira folgada do Cruzeiro e ...

Veja mais

Tudo nos Conformes

Tudo nos Conformes

Finalmente o Brasil conseguiu se livrar do fantasma chamado Argentina. Tudo bem que era um fantasma bem mais fraco e idoso, mas pelo menos no ...

Veja mais

Sob Nova (e Errada) Direção

Sob Nova (e Errada) Direção

Os dois assuntos de hoje são bem chatos. E extremamente repetidos. O primeiro é a interminável dança das cadeiras. Nos últimos dias os participantes da ...

Veja mais

PostHeaderIcon Quase nada nos conformes

Exceção feita a vitória americana, de resto tivemos inúmeras surpresas nessa fase final da Copa do Mundo de Basquete.

A Eliminação Brasileira e a atuação sérvia

A questão maior não é a eliminação em si, e sim a margem de pontos. A Sérvia acabou provando que a primeira fase não serviu pra nada. Depois de vencer apenas as seleções mais fracas do seu grupo os herdeiros da antiga Iugoslávia passaram pela boa Grécia, trucidaram o Brasil e bateram a comprometida França para alcançar uma improvável final.

Enquanto para o Brasil significou muito o 6º lugar apesar da derrota, para a Sérvia o vice campeonato significou a manutenção da tradição do país do leste europeu. Há muito o que se aproveitar da participação brasileira e, talvez, a derrota acachapante para a Sérvia tenha sido muito benéfica no longo prazo. Serviu para não subirmos no salto e nos colocar nos eixos para as Olimpíadas do Rio, onde essa geração conturbada se unirá pela última vez. A missão é conseguir um bom resultado (medalha). O caminho, como escancarado pelos sérvios, é longo e cheio de obstáculos.

A Eliminação espanhola e a surpresa francesa

A França foi melhor, técnica e psicologicamente. Aproveitou-se de uma Espanha que aparentemente sentiu o peso de decidir em casa. Sem seus principais jogadores os franceses recorreram aos dois melhores destaques da NBA que estavam a sua disposição, Nicolas Batum e Boris Diaw e o armador Heurtel, que joga na Liga Espanhola para dominar os espanhóis e mandar a geração de Pau Gasol para as arquibancadas.

Aliás Boris Diaw talvez seja o jogador mais subvalorizado do basquete mundial atualmente. A vontade que demonstra em quadra nem sempre se traduz em números. Foi muito importante para o San Antonio Spurs na conquista da NBA esse ano e foi importantíssimo para a vitória francesa nessa partida. É o que no futebol chamaríamos de carregador de piano.

Para a Espanha ficou o vazio por perder o mundial em casa e com uma excelente geração. Talvez a única seleção que seria capaz de derrotar os americanos numa eventual final atualmente. Pesou o lado psicológico.

O domínio americano.

Sem novidades. Quando bem treinados e focados é praticamente impossível bater os EUA mesmo sem suas principais estrelas. Nesse mundial podemos chamar James Harden e Derrick Rose de estrelas. Só.

a

Unidos em torno de um dos maiores treinadores da história do basquete, Mike Krzyzewski, que guia os americanos desde 2006, e um time composto na sua maioria por jovens e talentosos jogadores já consolidados na NBA, a presença de superestrelas como LeBron James, Kevin Durant, Russel Westbrook, Chris Paul e companhia se torna dispensável.

O basquete americano é tão natural na essência que o maior trabalho que o treinador tem é manter os jogadores focados. O show, como aconteceu na final contra a dura e esforçada seleção sérvia, acontece naturalmente.

Com a vitória os EUA detêm o bi-campeonato Mundial e Olímpico.

Rio 2016

Podemos esperar um grande torneio nas Olimpíadas do Rio daqui a 2 anos.

É provável mas não é certeza de que os americanos trarão um time mais recheado de estrelas. O mundial costuma ser usado mais a fim de dar rodagem a alguns jogadores sem tanta mídia. Repetir uma escalação como a de Londres em 2012 provavelmente nos presentearia com a presença de James, Durant, Paul, Harden, Love e etc.

E as expectativas para o desempenho da nossa seleção também serão grandes. Temos que trabalhar para que nossos jogadores demonstrem um bom psicológico e não sejam abatidos como os espanhóis nesse mundial.

É muito provável que o “sorteio” seja tão favorável quanto o da FIBA, que opôs Espanha e EUA nesse mundial.

Temos potencial sim para alcançarmos uma semi final Olímpica. A partir dai, sonhar é possível.

 

Share Button

PostHeaderIcon Temos Um Campeonato

E em uma das muitas “finais antecipadas” que sempre temos em campeonatos de pontos corridos, o São Paulo conseguiu vencer o Cruzeiro e diminuir a vantagem do time mineiro na liderança. Foi um bom jogo, com alternativas e mudanças de comando na partida, ou seja, um jogo equilibrado, como deve ser uma partida de grandes equipes.

O Cruzeiro começou o jogo melhor, pressionando a saída de bola do São Paulo de forma bem inteligente. Muitas vezes Rogério tinha de dar um chutão para a frente pois não tinha com quem sair jogando. Além disso Ricardo Goulart deu dois chutes perigosíssimos ao gol paulista. E Everton Ribeiro se movimentava aproveitando as costas do meio campo Tricolor. Até naquele momento imaginei uma troca, com o Michel Bastos entrando no lugar de um dos atacantes para recompor a meia cancha. Mas com a movimentação de Kaká e Alan Kardec o time encontrou espaço para criar uma jogada de toque de bola que resultou no pênalti indiscutível cometido por Dedé. Aí entra a questão da expulsão do zagueiro que já tinha amarelo. Não há nada escrito na regra afirmando que ele TINHA de ser expulso. Mas o normal para uma falta em que um zagueiro vai no corpo do adversário, como o próprio Dedé reconheceu, seria um segundo amarelo. são paulo cruzeiro 2014 bola parada

Com isso o Tricolor teve mais espaço para jogar e começou o segundo tempo melhor, mais bem composto em campo, ainda que tendo dificuldades com a rapidez dos cruzeirenses na frente. Porém o técnico Marcelo Oliveira fez algo que, a meu ver, ajudou a definir o jogo em favor do São Paulo. Ao tirar Lucas Silva e colocar Dagoberto, o time mineiro ficou com o meio campo aberto e deu todo o espaço que Denilson, Souza, Ganso e Kaká queriam. Com o gol de Kardec o jogo ficou bem mais tranquilo.

Até entendo que o técnico cruzeirense imaginou que, com uma boa margem de pontos de vantagem na tabela, ganhar ou perder esse jogo no Morumbi não seria tão decisivo. Talvez ele tenha pensado em pressionar e empatar o jogo mostrando a qualidade técnica do time que dirige. Mas acho que ele se equivocou ao tirar o Lucas Silva, justamente o jogador que dá estabilidade ao seu meio campo.

Com a vitória o São Paulo se aproxima mas têm uma sequência de jogos bem complicada; nas próximas sete partidas enfrenta Coritiba, Corinthians, Grêmio e Atlético/MG fora e o Cruzeiro faz seus jogos mais complicados (Atlético/MG, Corinthians e Internacional) no Mineirão. Talvez só depois dessa série de partidas poderemos dizer se ainda há disputa ou não. Mas que no momento temos um campeonato, isso temos sim.

Share Button

PostHeaderIcon Entre Amistosos e Cotas

E tivemos os dois primeiros amistosos da seleção do Dunga. Muitos podem pensar que é sempre útil testar jogadores e começar o trabalho visando a próxima Copa. Uma semana com jogos da UEFA, data FIFA. E lá foi a CBF faturar uma grana extra na terra do Obama. Talvez pra se “reaproximar” do torcedor.

Acontece que não vejo a menor necessidade desses amistosos, neste momento. Deu pra ver o Tardelli e o Miranda? Ok, mas até aí… Se fosse pra testar mesmo eu montaria uma seleção quase olímpica, com jogadores mais novos e sem experiência em seleção. Ou nem isso, deixaria só a olímpica jogando, como aconteceu. Mas a CBF usou as duas seleções, a olímpica “amistosando” no Oriente Médio e a principal “amistosando” nos EUA.

Pros clubes europeus, sem rodada pelos campeonatos locais, o prejuízo foi nenhum. Talvez só um ou outro jogador lesionado. Mas pros clubes daqui, com o Brasileirão rolando solto… Tudo bem que poucos jogadores foram convocados, mas… E se o Cruzeiro perdesse 2 jogos e visse os rivais se aproximando? E se algum jogador tivesse uma contusão grave e ficasse o resto do ano inativo? A CBF arcaria com o eventual prejuízo?

Não sei até quando os nossos clubes vão aceitar tudo que é imposto pela CBF, FIFA, televisão, X, Y e Z. Cada um vê o seu interesse e ninguém defende os clubes ou o Campeonato Brasileiro. E a culpa maior (ou total) é dos próprios clubes, que aceitam calados. Resignados e covardes, com medo de enfrentar a “entidade máxima” e desagradar alguém importante. São reféns de sua covardia e da sua total desorganização.

Sei muito bem que nenhum clube vai comprar essa briga sozinho. A primeira providência é se unirem. A segunda é se organizarem e fazerem valer seus interesses. Em tudo, não só diante das peladas da CBF. Data FIFA? Não, primeiro a “data Brasileirão”.

* * * * *

Um outro ponto, que depende da união dos clubes, é a negociação com a televisão. Já falei antes e volto ao tema. A negociação individual é péssima pros clubes. O acordo deve ser coletivo, levando em conta o tamanho da torcida, as vendas no pay-per-view, a classificação no ano anterior. Ou seja, variável, dependendo do desempenho e do retorno.

Na Europa temos dois exemplos distintos. Na Espanha a divisão é totalmente desigual, favorecendo o Barcelona e o Real. O que acaba refletindo na força dos clubes e na classificação. Vejam o gráfico abaixo, com as cotas de televisão (em Euros) da temporada passada.
cotas de tv la liga

Já na Inglaterra a divisão da cota é mais igual. A diferença entre os grandes clubes e os que subiram pra 1ª divisão é de aproximadamente 50%. Os grandes, somando outras receitas, são muito ricos. Mas os pequenos não ficam na miséria. Vejam o gráfico com a divisão de cotas na Premier League:
cotas tv premier league

Não digo que uma divisão melhor do bolo vai resolver a vida dos clubes. Mas é um passo no caminho certo.

* * * * *

E também volto ao assunto do patrocínio das camisas. Alguém está errando na dose. O Santos, desde a saída do Neymar, vive de acordos pontuais. Patrocínio fixo, só nas mangas e espaços menores. O Palmeiras está pra completar 2 anos sem um patrocínio master. E agora o São Paulo entra na lista dos “sem patrocínio”. Já tem mais de um mês sem a cota master. Espero que não fiquem 1 ano estampando o canal de vídeos no Youtube ou campanhas filantrópicas.

É óbvio que os clubes devem valorizar o espaço em suas camisas. Não devem aceitar qualquer valor. Mas também não é aceitável perder dinheiro. É melhor receber 20 milhões que passar 1 ano inteiro sonhando com 30.

Share Button

PostHeaderIcon Pequeno Resumo do Primeiro Turno

E chegamos ao fim do primeiro turno do Brasileiro com um líder com boa vantagem, alguns times tentando incomodar a dianteira folgada do Cruzeiro e mais uma vez o Palmeiras tentando escapar da degola. Depois de um início meio titubeante em termos de qualidade e animação do público, o torneio deu uma animada com as recuperações de São Paulo e Flamengo, e bons jogos realizados nas últimas rodadas. Com eles tivemos os já tradicionais erros de arbitragem, mas os considero infelizmente parte do jogo, analisando o nível baixo de nossos juízes.

Mas evidentemente o grande destaque do Brasileirão até agora é a campanha tranquila e bem feita do Cruzeiro, que está na liderança a 15 rodadas. O time reforçou ainda mais o elenco para este ano (Samúdio, Marlone, entre outros) e conseguiu não sofrer quando teve desfalques. Mesmo no último jogo do turno contra o Fluminense, sem Ricardo Goulart (que vem fazendo um ótimo campeonato) e Everton Ribeiro (o único armador real da equipe), o time azul arrancou um importante empate no RJ. Se mantiver o ritmo será difícil de alcançá-lo. musas brasileirão 2014 bola parada

Porém o São Paulo conseguiu se acertar depois de mostrar pouquíssimo futebol na maior parte do ano. A chegada de Kaká fez com o meio campo do time crescesse de forma bem consistente. Até mesmo Denílson melhorou o seu futebol, que parecia já bem distante do mínimo aceitável. A chegada de Alan Kardec e a volta de Rafael Tolói também ajudaram na melhora Tricolor. É um time que nesse tipo de competição (pontos corridos) pode ir bem e incomodar o Cruzeiro, principalmente se vencer o confronto direto do domingo que vem.

O Corinthians não mostra um futebol brilhante, mas é um time difícil de ser batido (é o que menos perdeu até agora, só dois jogos). Porém não tem um elenco tão numeroso e talentoso na frente. Quando Guerrero sai da equipe falta uma referência no ataque. Além do que pode tentar avançar mais na Copa do Brasil, pois a distância para o Cruzeiro aumentou perigosamente no fim do turno. Mas não o descarto na briga pelo título.

Já o Internacional periga mais uma vez ratear na hora H. Desprezou perigosamente a Copa do Brasil e a Copa Sul-Americana e agora corre o risco de passar mais um ano no jejum de títulos nacionais. Tem um elenco com alguns jogadores de qualidade como Alex, D’alessandro e principalmente Aránguiz. Mas sofre por não ter o mesmo talento na defesa e no ataque. Briga por Libertadores, mas a chance de título parece ter diminuído.

Fluminense, Grêmio, Atlético/MG e Santos devem continuar brigando pela vaga na Libertadores, esperando um deslize de algum dos quatro atuais integrantes dos G-4. Possuem elencos razoáveis mas me parecem a uma distância razoável de esperar algo mais na competição. brasileirão 2014 bola parada

Na parte de baixo da tabela, o Botafogo mostrou uma boa reação. Mesmo com vários problemas de salários atrasados, Vagner Mancini conseguiu reagrupar o elenco e fazer um time arrumado em campo que, se não vai ter uma vida totalmente tranquila na competição, pode escapar de um antes bem provável rebaixamento.

O Palmeiras por sua vez continua sofrendo com sua instabilidade política e com os traumas do passado e passa a correr um risco perigoso de nova queda para a segunda divisão. A bizarra passagem (e a demissão mais bizarra ainda) de Ricardo Gareca escancaram a falta de planejamento do alviverde. Não que tenhamos outros clubes como modelo de gestão no país, mas o que acontece pelos lados do Parque Antártica chega a ser surreal. O time em si é limitado, mas pode até se salvar agora treinado por Dorival Jr., mas o clima para isso é bem desfavorável.

No entanto temos outras equipes mais limitadas que podem “ajudar” os grandes que estão na parte de baixo da tabela. Chapecoense, Criciúma, Coritiba, Bahia e Vitória devem brigar para saírem da degola até o fim. Além disso o Figueirense ainda não está livre de ameaças, ainda que tenha conseguido uma boa recuperação com a chegada de Argel Fucks para o comando técnico.

Não acho que o Campeonato esteja tão pior do que dos outros anos. Claro que o nível técnico ainda não é o ideal, mas consigo ver times tentando jogar um pouco mais para a frente. Mesmo com um time muito à frente, o campeonato ainda mantém uma boa dose de emoção.

Share Button

PostHeaderIcon Tudo nos Conformes

Finalmente o Brasil conseguiu se livrar do fantasma chamado Argentina. Tudo bem que era um fantasma bem mais fraco e idoso, mas pelo menos no lado psicológico o Brasil conseguiu se livrar desse obstáculo.

Por enquanto na Copa do Mundo de Basquete tudo está indo de acordo com o planejado. Sem nenhuma surpresa maior, Espanha e EUA jogando muito bem e caminhando a passos largos para fazerem uma grande final, nenhuma seleção considerada forte eliminada antes das quartas de final e um sucesso de público e organização.

brasil argentina

Agora nas quartas de final o Brasil terá a Sérvia, o adversário que ofereceu mais resistência até agora (fora a Espanha, única derrota na 1ª fase). Apesar de ter aberto uma boa vantagem no primeiro tempo o Brasil deixou os sérvios virarem a partida em um 3º quarto desastroso. A vitória veio apenas no final do último período e de maneira bem sofrida.

Mas o detalhe é que os sérvios só venceram Egito e Irã na primeira fase.  Apesar da vitória sobre a boa seleção grega nas oitavas de final o time do leste europeu não impressiona. Caso o Brasil entre focado como na primeira fase e não se descuide como ocorreu lá naquela partida o nosso basquete pode finalmente estar em condição de brigar por uma medalha, algo que não vem desde 1978 nas Filipinas.

Eu creio que seja difícil imaginar Espanha e EUA fora da final. Estão um nível acima das outras seleções. Os EUA não devem ter grandes dificuldades para derrotar os eslovenos enquanto a Espanha vai enfrentar novamente a França. Na primeira fase a lavada foi de 25 pontos.

Enquanto Brasil ou Sérvia pegam o vencedor desse jogo, no outro lado da chave a partida que define o adversário dos EUA nas semis é entre Lituânia e Turquia, e essa ai é uma partida difícil de apontar um vencedor. A Lituânia é tradicional e atual vice campeã europeia. A Turquia vem de um vice campeonato mundial em casa em 2010. Por uma margem pequena apostaria na Lituânia.

E no jogo do Brasil aposto no nosso time. E diferente do futebol, onde sempre entramos com salto alto e muita pompa, nosso time está tentando reconstruir sua imagem de campeão e de ser uma força no basquete mundial. O primeiro passo é voltar a estar entre os 4 do mundo.

——————————————————————————————————–

Na NBA, depois do escândalo do fim da temporada passada, em que o dono dos Clippers foi obrigado a vender o time após ser gravado fazendo injúrias racistas contra torcedores negros do time de LA, agora é a vez do dono dos Hawks por sua parte na equipe a venda pelo mesmo motivo.

O proprietário da equipe de Atlanta disse, para ser bem simplista, que os “brancos” que frequentam a Arena da equipe estavam com medo de ir aos jogos e comprar os ingressos de toda a temporada devido ao grande número de “negros” que vão aos jogos e esses mesmos “negros” não tem condições de comprar os ingressos da temporada toda.

Ele apresentou o email voluntariamente a NBA e decidiu vender a equipe por conta própria.

Vale lembrar que Atlanta fica num dos estados onde sempre houve enorme tensão racial nos EUA, a Geórgia.

Atos como o dos proprietários dos Clippers e dos Hawks apenas refletem a cultura americana, um país em que até a década de 1960 havia segregação racial em escolas, ônibus e repartições públicas.

A punição imposta pela NBA a Sterling, de obrigá-lo a vender o time, fez o bilionário passar por um longo processo de desgaste da sua imagem. Algo que o dono dos Hawks talvez não queira passar.

Esse, a meu ver, é uma punição correta. Pessoal. Os times foram preservados. Nada de excluir o Hawks da próxima temporada.

Share Button

PostHeaderIcon Sob Nova (e Errada) Direção

Os dois assuntos de hoje são bem chatos. E extremamente repetidos. O primeiro é a interminável dança das cadeiras. Nos últimos dias os participantes da dança dos técnicos foram: Felipão, Enderson, Ney Franco, Marquinhos Santos, Celso Roth, Adilson Batista, Gareca, Dorival Jr, Oswaldo Oliveira… Tudo isso no meio do campeonato. E sem sabermos o objetivo dessas trocas. Nada além de explicações evasivas, como “dar ânimo”, “afastar a crise”, “recuperar o desempenho”, ou “unir o grupo”.
trocando treinador
Em alguns casos, como no Palmeiras, o erro era notório e previsto. Erraram ao demitir o Kleina (apesar dele não ser o melhor técnico da galáxia). E erraram novamente ao apostar num técnico estrangeiro e esperar um resultado em poucos meses. É complicado, leva tempo pro técnico conhecer nosso futebol e pros novos jogadores se ambientarem. Agora o Nobre tenta remendar o estrago, trazendo o Dorival Júnior. Isso em final de mandato e com toda a confusão que antecede uma eleição. Pode até ser que escape do rebaixamento, mas…

Na maioria dos casos os clubes erram duas vezes, ao contratar e ao demitir. Escolhem um técnico pelo que acham que ele vai fazer, não de acordo com sua necessidade e o perfil do time que têm. Alguns tropeços e demitem o cidadão. E trazem um novo “bombeiro”, pra apagar o incêndio que eles mesmos criaram. A chance de dar certo é mínima. E quase sempre sem relação direta com o novo treinador. Coisas do mundo da bola.

Podem pensar que sou muito inocente, ou romântico. Mas sou 100% contra esse comportamento. Primeiro pelo resultado prático: quase nulo. Depois por não permitir um trabalho profundo e extenso. Os clubes passam por espasmos. E ainda temos o aspecto financeiro.

E já que estou num dia de inocência total, ainda estou esperando aquele (prometido) código de ética entre os treinadores da elite. Falaram, falaram, falaram… Quando é que nossos treinadores vão se respeitar mutuamente? São profissionais ou prostitutas da bola?

* * * * *

O segundo assunto é o caso das ofensas racistas ocorridas na Arena Grêmio. Já ocorreram vários atos similares, mas sempre evitei abordar o tema. A razão principal é que não vejo nenhuma atitude real para punir os racistas. O máximo que acontece é uma multa, ou tirar pontos ou mandos de campo. Pros clubes grandes é uma multinha de m***; pros clubes pequenos, perda de pontos. Igual o ocorrido com o Esportivo de Bento Gonçalves. E isso não resolve nada. Deve-se punir os imbecis que insultam. Punição pra valer. Só assim pra que eles pensem duas vezes antes de xingar e ofender.

No caso dos torcedores do Grêmio, o agravante é que os insultos se seguiram, domingo passado. E foram praticados por mais gente, especialmente da Geral. Péssimo! Grave! Mas eu perdi a paciência quando alguns dirigentes (ou ex) do Grêmio tomaram a palavra e passaram a defender os torcedores que insultaram o Aranha. E foram além, jogaram a culpa no goleiro santista. Uma atitude surreal, bizarra. Que me faz lembrar os “melhores” momentos da ideologia nazista.

Já passou da hora do futebol se livrar desse tipo de gente. Mas não me venham com faixas com “no racism”. Eu estou falando de punição.

Share Button
Página 1 de 3312345...102030...Última »



  • Enquete

    • Você gostaria que o Brasileirão se tornasse uma Liga?

      • Sim, apoio a ideia (73%, 8 Votos)
      • Não concordo (18%, 2 Votos)
      • Não sei (9%, 1 Votos)

      Votos Totais: 11

      Loading ... Loading ...