Get a site
Arquivos
Busca
Nossa Newsletter
Bola Parada Feed

Destaques
Raúl Madrid

Raúl Madrid

Ele nunca foi uma unanimidade no mundo como grande craque, ainda mais pela falta de títulos na Seleção Espanhola. Mas no Real Madrid, Raúl González ...

Veja mais

O Marketing da Invasão e um Resumo do Brasileiro

O Marketing da Invasão e um Resumo do Brasileiro

Não chega a ser nenhuma novidade, mas cada vez mais vemos isso se tornar uma praxe no futebol brasileiro. Um time grande começa a ir ...

Veja mais

Por Enquanto, Nada de Novo…

Por Enquanto, Nada de Novo...

Em tudo na vida é complicado vermos uma mudança de postura e jeito de se fazer as coisas de forma rápida. Temos de contar com ...

Veja mais

Belas do Sportv

Belas do Sportv

O Alexandre postou 2 beldades do BandSports, o canal fantasma, então resolvi dedicar essa coluna de hoje a duas belas repórteres/apresentadoras do Sportv. A primeira é ...

Veja mais

O Dentista Desmascarado

O Dentista Desmascarado

Ninguém pode se dizer surpreso com a atual situação do Botafogo. Nem o mais fanático dos torcedores. Nem o nosso estimado PVC, que sepultou definitivamente ...

Veja mais

Automobilismo é um Risco Calculado

Automobilismo é um Risco Calculado

 Boa tarde pessoal! Estou estreando uma nova coluna aqui no site. Falarei aqui de automobilismo em geral, destaque para F1, NASCAR, StockCar e MotoGP. --------------------------------------------------------------------------------------------------------- “O automobilismo ...

Veja mais

PostHeaderIcon Raúl Madrid

Ele nunca foi uma unanimidade no mundo como grande craque, ainda mais pela falta de títulos na Seleção Espanhola. Mas no Real Madrid, Raúl González foi por 16 anos (entre 1994 e 2010), uma referência no ataque da equipe merengue. Também não é para menos. Em 741 jogos Raúl marcou incríveis 323 gols, sendo o maior artilheiro da história do clube madrilenho.

Na UEFA Champions League ele também detém uma marca importantíssima. É o jogador que mais fez gols, contando apenas as fases principais da competição. Porém seus 71 gols devem ser ultrapassados brevemente por uns tais de Messi e Cristiano Ronaldo…

Sendo assim, como logo logo ele não será mais recordista de gols no torneio continental, nada mais justo do que lembrarmos 10 dos mais bonitos gols que ele fez nessa grande competição.

Share Button

PostHeaderIcon O Marketing da Invasão e um Resumo do Brasileiro

Não chega a ser nenhuma novidade, mas cada vez mais vemos isso se tornar uma praxe no futebol brasileiro. Um time grande começa a ir mal em algum campeonato, perde dois ou três jogos seguidos ou pior ainda, é eliminado em algum torneio. Podemos sentar e esperar a hora de alguns desocupados “invadirem” o CT desse time, dizendo que “acabou a paz” e exigindo (!!!) mudanças. Na última semana vimos a cena se repetir no Corinthians e no Botafogo. Por motivos diferentes, mas com o mesmo objetivo.

Não tenho muitas dúvidas que essas torcidas aproveitam o momento ruim dos clubes para fazer um “marketing” de suas marcas, tentando também mostrar força perante aos seus rivais. É difícil para mim perceber como uma pessoa pode achar que vai melhorar o seu time, indo no local de trabalho pressionar os atletas a jogarem mais e conquistar resultados. Certamente esse pessoal não iria gostar que fizessem o contrário com eles. invasão ct bola parada

Mas o que mais me espanta é o espaço que a mídia dá para esse tipo de coisa, sem questionar tanto o fato em si. Ela a meu ver participa desse espetáculo, dando o palco que esses desocupados travestidos de torcedores precisam para “brilhar”. E tome entrevista, por exemplo, com o chefe da facção que está extinta pela justiça, mas continua agindo na cara de todo o mundo. Por sinal tivemos mais um confronto no, aí sim, palco real desses caras, o campo de briga, que “por acaso” era uma rodovia de São Paulo. Palmeirenses e Santistas se enfrentaram e tivemos mais um morto. Lamento pela família, mas infelizmente é algo esperado num encontro de variados tipos de marginais.

Voltando ao tema das invasões de centros de treinamento. Me parece que só quando ocorrer uma tragédia com algum atleta é que se atentarão para o fato de que esse espetáculo de baderneiros entrando livremente nos campos é algo muito perigoso. A mídia erra ao amplificar e dar espaço para esse tipo de gente, mas os clubes e seus presidentes, que normalmente são mancomunados com essas “torcidas organizadas” erram ainda mais ao permitem um acesso livre nos campos de treinamento, o que pode vir a causar algo mais sério.

Para evitar isso uma ação mais efetiva da polícia, prendendo os bandidos, e uma legislação esportiva que punisse o clube por esse tipo de ação poderia ajudar a diminuir essa sensação de impunidade e de “vale-tudo”. Mas esperar isso do Governo Federal que vem por aí (seja ele de qualquer partido que disputa a eleição) é quase uma utopia. Política esportiva por aqui é só fazer propaganda de grandes eventos e não muito mais do que isso.

*****

dedé cruzeiro bola parada Sobre a rodada do Brasileirão: O Cruzeiro mostrou sobriedade num momento complicado e venceu o Vitória em Salvador. Dedé tão criticado (de forma justa) pelas últimas más atuações fez o gol da vitória e é um daqueles indícios de que o time, mesmo mal, tem reserva técnica para se manter na frente.

O São Paulo bobeou em alguns jogos em casa depois de vencer o Cruzeiro e com isso viu a desvantagem para o time mineiro subir para sete pontos, diferença complicada de se tirar sem os confrontos diretos. Parece agora ser mais racional o Tricolor Paulista tentar se manter na vice-liderança e procurar vencer a Sul-Americana, ainda que o calendário seja apertado para quem tem essas duas competições em disputa.

O Atlético/MG, mesmo sem ter um time brilhante tecnicamente, reagiu depois da saída do Ronaldinho Gaúcho e do Jô. Mostra ter um time mais solidário que pode incomodar pela vaga na Libertadores. Precisamos ver como pode lidar com um jogo complicado na semifinal da Copa do Brasil contra o Flamengo. Chega com mais responsabilidade do que no confronto contra o Corinthians, em que conseguiu uma virada inesperada.

O Inter mais uma vez decepciona e se mostra muito irregular, mesmo para conseguir ficar no G-4. Corre o risco de ser ultrapassado ainda. Corinthians, mesmo jogando abaixo do que pode, Grêmio e mesmo Santos e Fluminense ainda podem brigar.

Na parte de baixo o Palmeiras (e a mídia empolgada) voltaram à realidade com a derrota para o Santos no clássico de ontem. Passa a impressão de que Botafogo e Criciúma são os times mais limitados para saírem da zona de risco, mas o Coritiba e os dois baianos também vem muito mal. O excesso de “concorrência” pode salvar o alviverde…

Share Button

PostHeaderIcon Por Enquanto, Nada de Novo…

Em tudo na vida é complicado vermos uma mudança de postura e jeito de se fazer as coisas de forma rápida. Temos de contar com o tempo para ver algo de efetivo acontecer, e se vai mesmo se tornar realidade…Porém certas coisas dificilmente se alteram, mesmo com mudanças, revoluções, tragédias…Depois dos dois últimos amistosos da Seleção Brasileira vimos isso claramente.

Primeiro no estilo de jogo que Dunga implanta na equipe. Ainda que em alguns momentos a Seleção tenha jogado com dois meias mais ofensivos (William e Oscar e depois Everton Ribeiro e Phillipe Coutinho) e tenha chegado ao ponto de atuar só com um volante (Souza), quando o jogo contra o Japão já estava resolvido é bom lembrar, a equipe continua privilegiando o contra-ataque em relação à troca de passes mais demorada e apurada. É um modelo competitivo, que pode trazer resultados. Mas para quem esperava algo mais após à Copa do Mundo, me parece que teremos de esperar um pouco mais.

Dizendo isso não quero dar um veredicto definitivo em relação ao trabalho do novo (“velho”) treinador do Brasil. Digo velho pelo fato dele já ter tido uma oportunidade rara, que foi ter conseguido ficar por 4 anos, um ciclo inteiro pré-Copa, algo raríssimo para um treinador brasileiro. Ele pode mostrar evolução e colocar o time para jogar de forma firme na defesa, mas com uma inventividade que ainda não vimos nos times com o seu comando. Tirando a qualidade latente de Neymar, o time se mostrou ainda muito dependente da bola longa, da retomada e da corrida. Isso contra um time que se expõe e tenta jogar de igual para igual, como é o caso da Argentina, funciona bem, mas pode ser complicado contra adversários retrancados. dunga brasil argentina bola parada

Porém, ao ver Dunga tentando provocar os argentinos de forma ridícula, fazendo um gesto estranhíssimo que pode muito bem ser relacionado ao uso de drogas por parte dos adversários é algo que me faz ter um pouco menos de esperança em uma mudança de perfil do comandante. E isso é algo que pode fazer diferença lá na frente. O time pode não saber como reagir à uma desvantagem e se enervar de forma perigosa.

O que preocupa também é a análise maniqueísta da imprensa que se exalta com vitórias em amistosos, se esquecendo de como elas acontecem. Tostão em sua coluna semanal disse: “O destempero de Dunga é tratado por muitos como algo engraçado, interessante, folclórico. Enquanto o Brasil vencer, tudo será permitido.” . Não quero aqui dizer que o treinador deva ser criticado por antecedência, de forma a não valorizar virtudes que possam vir a aparecer. Mas também o ufanismo e a tendência à soberba que temos em nosso futebol podem ser fatais para a melhoria do nosso futebol…Até parece que o 7×1 já ficou para trás e ele tem de ser lembrado; não apenas pelo resultado, mas por mostrar que nosso futebol está longe de uma soberania que muitos ainda acham que existe, já que para muitos, ganhar da Argentina é a salvação de todos os problemas. E o caminho para isso ainda é longo…

Share Button

PostHeaderIcon Belas do Sportv

O Alexandre postou 2 beldades do BandSports, o canal fantasma, então resolvi dedicar essa coluna de hoje a duas belas repórteres/apresentadoras do Sportv.

A primeira é Maíra Lemos. A mocinha ganhou destaque depois da Libertadores do ano passado, quando cobria o Atlético e ficou nos holofotes nacionais por um tempo. Ela já era bem conhecida por essas bandas aqui, mas a campanha (e o pedido de namoro de Ronaldinho) serviram para alavancar a carreira e a fama de Maíra.

A outra graça do “Canal Campeão” é a Domitila Becker. O nome é difícil mas a moça é linda. Ela trabalha já há algum tempo no canal e fazia cobertura na Espanha. Mais recentemente apresenta o É Gol, no lugar de Aurora Bello.

Share Button

PostHeaderIcon O Dentista Desmascarado

Ninguém pode se dizer surpreso com a atual situação do Botafogo. Nem o mais fanático dos torcedores. Nem o nosso estimado PVC, que sepultou definitivamente (espero) a sua teoria dos degraus. O Botafogo subiu um degrau, voltando a participar da Libertadores. E termina o ano despencando 5, com um inevitável rebaixamento.

No começo do Brasileirão eu fiz uma relação, colocando alguns favoritos e os candidatos ao rebaixamento, aqui. Citei o Bota e o Coxa no grupo de risco, com grande possibilidade de caírem pra Segundona. O Palmeiras era outro, entre os clubes mais tradicionais. Não tive sorte nem intuição. Foi a lógica. Um clube mal administrado e com grave crise financeira tem muito mais chance de ser rebaixado. É simples.
botafogo em crise
Mas o Botafogo ultrapassou os problemas de má administração. O dentista transformou o clube num caos. O Maurício Assumpção, até pouco tempo aclamado por grande parte da imprensa esportiva, cometeu todos os erros possíveis. E, com vocação pra político, joga a culpa nos outros e não enxerga suas falhas. Sua última cartada foi a rescisão do contrato de 4 jogadores. Deu em nada, ainda que a presença destes jogadores não ajudasse muito.

É bom lembrar que estes jogadores, e todo o restante, foram contratados pelo dentista. Ele, no ano que o clube voltaria à Libertadores, montou um elenco bizarro, juntando jogadores em fim de carreira, decadentes, empurrados por empresários e outros com baixíssimo nível técnico. O resultado não poderia ser diferente. Ou alguém acha que Airton, R. Souto, Carlos Alberto, Tanque Ferreira e afins são solução pra algo???

O Mancini tenta. Os jogadores se esforçam. Mas isso é pouco diante da trágica administração do M. Assumpção. Ele é o maior responsável pelo desastre. Talvez o único!

* * * * *

Se a torcida do Botafogo está desesperada com a volta pra Segundona, a do Palmeiras não deve se iludir muito. O time atual é bem fraco, independente do técnico ser X ou Y. O time ainda está na zona da confusão. Pode ser que escape, existem times piores. Mas vai ser com sofrimento. E muita coisa precisa mudar pro clube voltar aos dias de grandes glórias. Uma ou duas vitórias não garantem nada além de um pequeno fôlego.

* * * * *

Outra torcida que anda muito descontente é a colorada. Novamente o Inter pisa na bola e tropeça contra adversários de menor porte. Já vimos este filme. Mas, levar 5 da Chapecoense é pra deixar o torcedor furioso. Não dá! E o pior é que não acredito que a direção do Internacional faça grandes reformulações pra 2015. A contratação do Nilmar é sinal que vão continuar insistindo em jogadores caros e decadentes. Ou vão reforçar apenas o ataque. Já a defesa… Peneira total!

* * * * *

Sábado tem o joguinho entre a CBF e a AFA. Também conhecido como “super clássico das Américas”. Amistoso na China, no ninho de pomba bêbada. De manhã (aqui). É dose pra dromedário!

Sou do tempo em que os torcedores comemoravam a convocação de jogadores de seus times. Era uma honra pros convocados, um orgulho pros clubes. Os narradores de rádio viviam recomendando:
- Olho nele, * (técnico da seleção). O Fulano tá jogando muito. Amarelinha nele!

Pois agora a maioria respira aliviada quando um jogador importante não é convocado e não desfalca a equipe. Quanta diferença!

O pior é ver que o Dunga está pensando no agora. Vai tentar se garantir nesses amistosos de nada. Depois vai passar um sufoco nas Eliminatórias. E aí, em 18, levamos outra surra. Acho que já vi este filme.

Share Button

PostHeaderIcon Automobilismo é um Risco Calculado

 Boa tarde pessoal! Estou estreando uma nova coluna aqui no site. Falarei aqui de automobilismo em geral, destaque para F1, NASCAR, StockCar e MotoGP.

———————————————————————————————————

“O automobilismo é um risco calculado. Fico mais preocupado ao fazer viagens comuns entre São Paulo e minha fazenda em Araraquara que largando numa corrida.”

Emerson Fittipaldi

Infelizmente a primeira coluna será sobre o trágico acidente ocorrido no GP do Japão nesse fim de semana passado. O acidente de Jules Bianchi, piloto da Marussia, aconteceu numa corrida que não deveria nem mesmo ter acontecido. A ameaça do tufão de atingir terra durante a corrida, o início com o Carro de Segurança, a bandeira vermelha e finalmente a largada já davam indícios de que a possibilidade de acontecer um acidente (ou vários) era alta.

Os interesses econômicos de ter uma corrida cancelada ou da corrida acontecer na segunda pesaram para que houvesse a prova sob condições ruins de visibilidade e com o por do sol próximo do horário do fim da corrida.

Esse ano já havíamos presenciado uma absurda decisão da direção de prova em Hockenhein, quando Adrian Sutil rodou na reta de chegada e seu carro ficou atravessado. Ao invés de acionar o Carro de Segurança a FIA preferiu acionar bandeiras amarelas no setor e fiscais de prova retiraram o carro da pista.

Uma decisão que poderia ter causado uma cena como essa, um dos piores acidentes da F1, em que o piloto e o fiscal morreram num acidente tão bobo quanto chocante.  O vídeo é forte.

Quem acompanha automobilismo americano sabe que por vezes, seja qual for a categoria, as decisões quanto a bandeiras amarelas são sempre muito duras. Na NASCAR basta um encostão no muro ou um detrito, por menor que seja, para que a bandeira amarela seja acionada em todo o circuito. Uma decisão que as vezes irrita pela demora em ser autorizada a relargada mas que, visto o que aconteceu com Bianchi, se mostra acertada.

A Fórmula 1 se tornou uma categoria extremamente segura depois das mortes de Senna e Ratzenberger naquele fatídico fim de semana em San Marino. Nenhum piloto morreu em um carro de F1 desde então. E tivemos acidentes bem feios, que muito provavelmente teriam ceifado a vida de mais alguns pilotos ou os machucado seriamente. Não temos como esquecer o acidente de Schumacher em 1999, Mark Webber em 2010, Kubica em 2007, só para citar alguns.

Jules BianchiCircuitos foram modernizados, áreas de escape ampliadas, asfaltadas, muros recuados, chicanes criadas para reduzir velocidade, cockpits e carrocerias foram aprimoradas a um ponto em que é difícil hoje imaginar que um piloto possa sair seriamente machucado de um carro de F1.

Ai acontece um acidente em uma corrida disputada sob uma chuva torrencial em que o carro bate em um trator. Algo completamente atípico. O Santantonio (que protege a cabeça do piloto) foi destruído no impacto. Bianchi foi acertado em cheio pelo veículo e dificilmente não apresentará alguma sequela caso sobreviva. Mas, graças a evolução dos itens de segurança, não está morto.

É algo que foge do normal. Algo que uma precaução a mais poderia ter evitado. Algo que provavelmente servirá de base para novas normas de segurança enquanto houverem pessoas ou veículos estranhos no circuito. É muita falta de tato deixar a corrida rolar sabendo que há um risco para pilotos e fiscais em situações como essa. Acho que não vale a pena preservar a liderança construída pelo líder da prova (algo que a FIA parece muito preocupada) ou mesmo não terminar a corrida em bandeira vermelha em detrimento de danos irreparáveis como os que vimos nesse GP do Japão.

———————————————————–

Sempre que acontece um acidente sério na F1 eu me lembro o quanto a categoria está a frente das suas irmãs em relação a segurança.

Não que as outras categorias sejam inseguras, mas a F1 conseguiu reduzir significativamente o número de mortes e feridos nas últimas duas décadas enquanto praticamente todas as outras categorias do mundo continuaram registrando acidentes fatais.

Na IndyCar as mortes são periódicas. O último foi Dan Wheldon, mas tivemos acidentes horrendos como o de Paul Dana e Greg Moore. E ano passado tivemos um acidente terrível com o campeão Dario Franchitti que encerrou precocemente sua carreira após esse acidente.

Na NASCAR um acidente simples tirou a vida de uma das maiores lendas do automobilismo americano em 2001. Dale Earnhardt não estava usando o HANS, equipamento que também poderia ter ajudado a salvar a vida de outros pilotos, como Senna e Ratzenberger ou Gonzalo Rodrigues.

Todas elas andam a seu tempo. Implementam certas regras, ignoram outras. O que é fato é que desde aqueles acidentes terríveis em que os carros explodiam ao bater, voavam para as arquibancadas, pilotos eram ejetados e morriam atropelados ou queimados o automobilismo evoluiu muito.

Carros mais seguros, dispositivos mais seguros, circuitos mais seguros, regras mais restritivas seja em qualquer categoria. Os acidentes continuarão acontecendo. As mortes, infelizmente, também. Creio ser impossível eliminar o risco de perdermos um piloto durante uma corrida, seja ela de Stock, caminhões, fórmula, protótipos, motos ou qualquer coisa que dispute alguma corrida mundo afora.

Mas que o automobilismo se torna mais seguro a cada dia isso não se pode jamais negar.

Share Button
Página 1 de 3512345...102030...Última »



  • Enquete

    • Qual torneio internacional você acompanha com frequência?

      Veja Resultados

      Loading ... Loading ...